Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai aprovaram hoje (29) dois documentos conjuntos com compromissos na área ambiental. Os acordos foram firmados em reunião extraordinária dos ministros de Meio Ambiente do Mercado Comum do Sul (Mercosul), em paralelo à 8ª Conferência das Partes da Convenção sobre Diversidade Biológica (COP8), Curitiba.

Um dos textos aprovados estabelece uma estratégia de proteção da biodiversidade para o Mercosul, com diretrizes para harmonização e integração de políticas e ações dos países parceiros. Segundo a ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, a declaracão conjunta abrange questões como manejo sustentável da biodiversidade e dos recursos compartilhados, qualificação de pessoal, viabilização de instrumentos econômicos para a implementação de medidas de conservação, plano de proteção para espécies ameaçadas de extinção e estratégia para espécies migratórias.

A Bacia do Prata, as unidades de conservação transfonteiriças (como o Parque Iguaçu, na fronteira do Brasil com o Paraguai) e o aquífero Guarani são alguns dos temas que passarão a ser tratados conjuntamente. "A estratégia para a biodiversidade maximiza resultados, faz com que tenhamos uma ação potencializada. A sinergia ajudará a alcançar as metas de 2010", destacou Marina Silva. A Convenção sobre Diversidade Biológica tem como meta a redução significativa das taxas de perda de biodiversidade até 2010.

O ministro de Meio Ambiente uruguaio, Mariano Arana, destacou que a iniciativa é um passo a mais para implementar o projeto de Mercosul em que seu país acreditou, e continua acreditando ser possível. Estamos trabalhando para que a consolidação do Mercosul seja uma realidade", afirmou. A vice-ministra de Biodiversidade do Paraguai, Mirna Medina, também se disse convencida de que os acordos ambientais ajudarão a fortalecer a integração entre Brasil, Argentina, Uruguai e Paraguai.

Para o secretário de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Argentina, Atilio Savino, é fundamental que a declaração sobre estratégia de biodiversidade, aprovada hoje, converta-se, o mais rápido possível, em um documento vinculante – um protocolo de cumprimento obrigatório, assinado pelos quatro países do Mercosul.