ja811.jpgCom o lançamento da quarta geração do Gol, manter a liderança pelo vigésimo ano consecutivo é a intenção da Volkswagen do Brasil. A menina dos olhos da empresa alemã – responsável por aproximadamente 50% das vendas da marca -chegou às concessionárias em três versões de acabamento: City 1.0 e 1.6, Plus 1.0 e Power 1.6 e 1.8, todas bicombustíveis.

Segundo a montadora, as antigas gerações do modelo deixaram de ser produzidas e, a partir de agora, todos saem de fábrica com a nova configuração. Assim a antiga opção de entrada, a Special, deixa de existir.

Na quarta geração do Gol (filho pródigo da Volks), muita coisa mudou. Visto de frente, o carro ficou com visual mais limpo e moderno com destaque para os novos faróis em policarbonato, transparentes e mais alongados e para o elemento em ?V? da dianteira, formado pelo novo capô com vincos para dentro, que se prolongam até o pára-lama, e pelo renovado pára-choque.

ja812.jpgDe acordo com a montadora, trata-se de linhas inspiradas no carro-conceito ?Concept R?, que expressam a nova identidade visual mundial da marca e aproxima o rebento nacional aos seus irmãos europeus.

Na traseira, as novidades ficam por conta das novas lanternas, em formato redondo, que lembram discretamente as do Polo. As mudanças na parte de trás também são realçadas pelo novo aerofólio integrado à nova tampa, e que traz a luz de freio incorporada.

Além disso, o carro também ganhou limpador fixado no vidro e nova alça de abertura do porta-malas acoplada à fechadura. Visto de lado, o novo Gol (Geração 4), apesar das mudanças porque passou, é praticamente idêntico ao seu antecessor.

ja813.jpgNo interior do novo carro foram introduzidas muitas novidades. A quarta geração do Gol ganhou novo painel de instrumentos, novos difusores de ar, parecidos com os do Fiesta e Celta, nova cor ambiente, na tonalidade cinza e com detalhes em preto, acionamento dos vidros elétricos nas portas, novos porta-objetos (agora são 11 na versão de duas portas e 13 na quatro portas), volante de três raios e novos tecidos de revestimento dos bancos.

Para tristeza dos fumantes, foram embora cinzeiro e acendedor de cigarros, antes presentes na GIII. Agora, nem como opcionais de fábrica. (BN)

OLHO CLÍNICO

ja821.jpgHouve alterações no Gol GIV que não agradaram a alguns. Uma delas foi o reposicionamento dos comandos de acionamento do vidro elétrico sem a função ?um-toque?, anteriormente oferecida. No Gol GIII eram bem localizados no centro do painel, acessíveis a motorista e passageiro, sem problemas. Agora estão nas portas. Durante a apresentação do carro foi justificado que a mudança ocorreu por solicitação dos clientes da marca, ouvidos em clínicas de pesquisa.

Embora ofereça melhor sensação de espaço e tenha suas vantagens em luminosidade de interior, segundo a VW, o novo painel trouxe prejuízo: as pernas do passageiro (se mais alto) resvalam no porta-luvas, que está mais baixo. Outra boa característica que permaneceu inalterada: a qualidade da iluminação proporcionada pelos faróis.

ja822.jpgO novo Gol trouxe boas novas em vários aspectos, como a redução da extensa lista de versões. Agora são apenas três: City, Plus e Power. A City, de entrada, terá opções de motores 1,0 litro e 1,6 litro. A Plus, intermediária, terá apenas motor de 1 litro. Para a Power, topo de gama, existem motores de 1,6 e 1,8 litro. Todos os motores são flexíveis em combustível (podem ser abastecidos com gasolina, álcool ou qualquer mistura de ambos).

ja823.jpgAvaliado em percurso urbano, o novo Gol City 1.0 mostrou que continua com desempenho idêntico ao da versão anterior. Afinal, não poderia ser diferente, o conjunto mecânico é o mesmo. O grande diferencial fica por conta da nova configuração interna, que privilegia a ergonomia e o conforto dos passageiros. Além da economia de combustível, o novo Gol não deixa a desejar.

Com gasolina no tanque de 51 litros, o carro tem autonomia de 772 km e consumo médio urbano de 13,6 km/l. Com álcool, o consumo médio na cidade fica em 9,3 km/l. Nas rodovias, o carro faz 17 km/l com gasolina e 11,3 km/l com álcool. Com o mesmo combustível, o modelo agrega 65 cavalos de potência, torque máximo de 9,1 kgfm a 4.500 rpm, atinge os 100 km/h em 13,4 segundos e a máxima de 164 km/h. E com o combustível renovável, o novo Gol ganha 3 cavalos de potência, torque máximo de 9,2 kgfm a 4.500 rpm, faz de 0 a 100 km/h em 13,2 segundos.

Além do mercado interno, a nova geração do Gol será exportada para os mais de cinqüenta países onde a montadora comercializa seus veículos. Agora é só aguardar a resposta do mercado. (BN)

FICHA TÉCNICA

Motor: Quatro cilindros, longitudinal, duas válvulas por cilindro

Cilindrada: 999 (cm³)

Potência: 65 cv a 5.750 rpm (G) e 68 a 5.750 (A)

Torque (kgfm): 9,1 a 4.500 rpm (G) e 9,2 a 4.500 rpm (A)

Taxa de compressão: 10,8:1

Câmbio: Manual, de cinco marchas

Comprimento: 3,93 m

Largura: 1,64 m (2 p) e 1,65 m (4 p)

Altura: 1,41 m

Entre-eixos: 2,46 m

Porta-malas: 285 litros

Peso: 867 kg (2 p) e 892 kg (4p)

Tanque: 51 litros

Preço: a partir de R$ 24.187,00