Ao completar nesta quinta-feira (07) 150 anos de fundação, o Arquivo Público do Paraná comemora as realizações e, ao mesmo tempo, começa a encarar os desafios para o futuro. Na Semana do Sesquicentenário que se encerra hoje, a grande preocupação demonstrada por especialistas que participaram das palestras e debates que compuseram o evento foi a de criar regras e critérios para o armazenamento dos documentos virtuais, de como impedir que eles se percam e de que forma assegurar o acesso à papelada produzida e guardada em computadores.

?É um problema cada vez mais difícil para o arquivismo no Brasil, e que carece de definição de regras urgentes: como constituir um acervo virtual para que, no futuro, a história que esteja sendo feita hoje possa ser consultada, pesquisada?, salientou o diretor do Arquivo Nacional, Jaime Antunes, que proferiu palestra na abertura da Semana do Sesquicentenário.

Primeiro passo

No Paraná, o primeiro passo está sendo dado. Também durante a semana de comemorações, a Escola de Governo e o Arquivo ? ambos são vinculados à Secretaria de Estado da Administração e da Previdência (Seap) ? lançaram a Câmara Técnica de Gestão Documental.

A câmara ficará responsável por definir programas a serem aplicados nas repartições públicas, e que busquem a melhor forma de impedir que memorandos, relatórios, processos, pedidos e outros tipos de documentos feitos via e-mail sejam perdidos.

?O Arquivo Público do Paraná segue à risca as regras de criação e manutenção de acervo físico, real. Agora, a grande luta, o grande trabalho, vai ser o de organizar a guarda da produção virtual?, destaca a historiadora Daysi Andrade, diretora do Arquivo Público.