A igualdade entre homens e mulheres no mercado de trabalho depende da divisão proporcional das tarefas domésticas. É o que defende a professora e pesquisadora da Faculdade de Economia da Universidade Federal Fluminense (UFF), Hildete Pereira de Melo.

No estudo sobre "Mulher e Trabalho", realizado com apoio da Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres, ela concluiu que menos de 30% dos homens em idade adulta fazem algum tipo de serviço doméstico.

Ao participar esta semana do programa Redação Nacional , da Rádio Nacional do Rio de Janeiro , a pesquisadora disse que a mulher não se fixa no mercado de trabalho e, conseqüentemente não ganha melhores salários, porque é obrigada a se dividir entre a maternidade e os serviços domésticos, enquanto o homem só se preocupa com o trabalho externo.

Para Hildete, apesar das dificuldades ainda existentes, as mulheres conquistaram avanços significativos. Agora, precisam educar as futuras gerações de homens discutindo a importância da divisão das tarefas domésticas. "Não podemos repetir o modelo antigo, portanto, essa discussão da divisão das tarefas domésticas não pode ser minimizada", ressalta a professora da UFF.