Os alunos do programa Paraná Alfabetizado foram à reunião da Escola de Governo desta terça-feira e deram depoimentos de como foi importante terem participado do projeto.

Para a aluna Celma Inez Neros dos Santos, 53 anos, é uma alegria poder estar aprendendo a ler e a escrever, mesmo que com a idade avançada. ?Estou muito satisfeita, pois agora já posso ler a Bíblia, algo que sempre tive vontade?, contou. Para ela, a leitura leva à liberdade. ?Agora não me bato mais para pegar o ônibus. Esta é uma grande dificuldade para quem não sabe ler?, disse.

?Espero que todas as pessoas, que não tiveram acesso ao estudo façam como eu e possam aprender também?, disse ela. Já a aluna Maria Siloé da Silva, 72, contou que está realizando um velho sonho. ?Não sabia nem escrever o meu nome, agora já estou escrevendo um pouquinho e lendo também?, afirmou.

Para o aluno Rosalino Ribeiro de Souza, 50, a escrita e a leitura são uma conquista. ?É muito difícil ser analfabeto porque significa estar sempre dependendo dos outros até em coisas simples como, por exemplo, para saber o nome de uma rua, pegar um ônibus?, exemplificou. ?Tento sempre estar presente nas aulas porque nunca tinha tido esta oportunidade?, contou.

Para as alfabetizadoras do Paraná Alfabetizado, Evaneide Rodrigues dos Santos e Carla dos Santos Carvalho, respectivamente mãe e filha, participar do programa é a realização de um sonho. ?Ensinar jovens e adultos a escrever e a ler é algo gratificante. Estamos ajudando estas pessoas a escrever um futuro melhor?, disse Evaneide.