O secretário de Comércio Exterior do Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior, Armando Meziat, disse nesta quinta-feira (1.º) que as exportações em janeiro, mês sazonalmente fraco surpreenderam ao apresentar um crescimento de 18,3%, o que é superior à meta de expansão das vendas externas para este ano, de 10,5%. "Isso pode ser um prenúncio de que, em março, abril e maio teremos números muito maiores", disse o secretário, lembrando que o ritmo de elevação das vendas externas começa por volta do segundo trimestre, quando tem início a venda da safra agrícola.

Meziat destacou, no entanto, que o ritmo de crescimento das importações (31,3%), em janeiro, foi bem superior ao das exportações, o que resultou em um superávit comercial, nesse mês menor do que em janeiro de 2006. "A tendência no Brasil é de que as importações cresçam num ritmo maior que as exportações, e o saldo comercial comece a cair", afirmou o secretário, sem fazer previsões de superávit para este ano.

A diferença de expansão, no entanto, foi tão grande em janeiro, segundo o secretário, que o valor absoluto de crescimento das importações foi superior ao das exportações, fato que só ocorreu duas vezes no ano de 2006. As importações de janeiro deste ano superaram em US$ 2,020 bilhões o valor de janeiro de 2006, enquanto que as exportações foram maiores em US$ 1,692 bilhão.

O secretário assegurou que as importações não vão prejudicar as indústrias nacionais. "Toda vez em que as importações se mostrarem danosas, o governo brasileiro vai usar as medidas de proteção comercial", afirmou, lembrando que, no final do ano passado, foram abertos 12 processos de investigação sobre dumping que teria sido praticado pela China.