Em silêncio, aliados do Planalto ouviram ontem senadores da oposição indagarem a razão da ausência do nome do presidente Luiz Inácio Lula da Silva da lista de indiciados pelos crimes investigados pela CPI dos Bingos. Nenhum deles pediu a palavra para defender o presidente. Álvaro Dias (PSDB-PR) propôs ao relator Garibaldi Alves (PMDB-RN) que incluísse no relatório pedido ao Ministério Público para apuração da responsabilidade de Lula no esquema de corrupção em Santo André e em relação aos pagamentos feitos em seu benefício pelo presidente do Sebrae, Paulo Okamotto.

Para o senador Antonio Carlos Magalhães (PFL-BA), Garibaldi "foi bondoso" ao omitir o nome de Lula. "Os membros do governo deveriam agradecer o fato de ele não ter posto o presidente Lula no relatório, uma vez que os fatos analisados revelam indícios comprometedores de sua participação", disse ACM. Ele também criticou a atuação do PT na CPI. Segundo ele, "nenhum partido decente" criaria dificuldades para a investigação dos assassinatos dos prefeitos de Santo André Celso Daniel e de Campinas Toninho do PT, e das denúncias de corrupção em Ribeirão Preto. "Não compreendo como é que estes petistas daqui não entendem como o senador Garibaldi foi generoso, porque o presidente Lula tinha de estar citado neste relatório.