enkontra.com
Fechar busca

+ Pop

‘Pais e Filhos’ é uma reflexão sobre a paternidade

Havia gente em Cannes, em maio, apostando que o júri presidido por Steven Spielberg ia atribuir a Palma de Ouro ao Japão. Era o comentário geral – “Like Father Like Son”, que estreia nesta sexta-feira, 27, como “Pais e Filhos”, tem a cara de Spielberg. Tanto isso é verdade que Steven adquiriu os direitos de filmagem e vai fazer a versão hollywoodiana do filme de Hirokazu Kore-eda. Mas ele não deu a Palma para o diretor. Ela foi atribuída, pela unanimidade do júri, a “Azul É a Cor Mais Quente”, de Abdellatif Kechiche. “Pais e Filhos” ganhou o prêmio especial do júri, e foi merecido.

Está sendo um final de ano atípico. Amanhã, última sexta de 2013, os filmes seguem estreando. “São Silvestre”, de Lina Chamie, terá um lançamento pequeno, mas é o melhor brasileiro do ano que se encerra. “Pais e Filhos” só não está na listona dos maiores por um detalhe. Se Kore-eda o terminasse em aberto, com a caminhada de pai e filho – o travelling, o plano-sequência, ambos andando em paralelo, mas não juntos -, o impacto talvez fosse maior. É um belo filme sobre família, para compreender (decifrar?) a paternidade.

“Pais e Filhos” narra uma história que se presta ao cinema de lágrimas. Começa com um empresário bem-sucedido, a mulher e o filho. O pai é um tanto distante. Um exame de rotina na escola revela que o garoto não pertence ao grupo sanguíneo dos pais. Não pode ser filho deles. Houve uma troca no hospital, quando o bebê nasceu. Crianças foram trocadas. O caso poderia seguir assim, mas a correção japonesa – os conceitos de honra – levam a algo que parece impensável. À troca das crianças.

Eles não são mais bebês. Percebem o que ocorre. Sofrem com as diferenças – e as duas famílias ficam dilaceradas. O outro pai tem uma oficina, é mais modesto, mas mais presente. “Meu tema é a transformação do pai poderoso. Ele começa o filme frio e distante, mas vai passar por uma mudança. O desafio foi sempre tentar evitar que essa transformação ocorresse banalmente aos olhos do espectador.”

Com quase 3 milhões de espectadores já na época de Cannes, “Pais e Filhos” virou o maior sucesso de Kore-eda no Japão. Se não sumir de circulação, para não comprometer a futura versão de Spielberg, poderá muito bem se converter no maior êxito internacional do grande diretor.

O filme foi bem em todos os festivais de que participou. Ganhou prêmios (no plural) de público. No Japão, o que contou pontos foi o ator que faz o pai. Masaharu Fukuyama é um astro. Cantor, agrada às mulheres, embora tenha um contingente muito grande de fãs entre crianças e adolescentes de ambos os sexos. “Escolhi-o porque achei que ele se prestava ao que queria fazer. Não estou seguro de que seus fãs tenham aprovado integralmente o filme, e o papel. Ele aparece diferente. Quero crer que a história contribuiu para o sucesso. Os idosos lotaram os cinemas.” Fukuyama, em Cannes, disse que se assustou com o convite de Kore-eda. “Não sou pai, confessei-lhe que não saberia como interpretar o papel. Mas ele me tranquilizou – disse que o filme era sobre um homem que aprende a ser pai, e que eu iria aprender.” As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

PAIS E FILHOS

Diretor: Hirokazu Kore-Eda

Gênero: Drama, 120 minutos (Japão/ 2013)

Classificação indicativa: 12 anos

Siga a Tribuna do Paraná
e acompanhe mais novidades

Deixe um comentário

avatar
300

Seja o Primeiro a Comentar!


wpDiscuz

Últimas Notícias

Mais comentadas