Questionado sobre o que quer ser quando crescer, o argentino Augustin Rojas, de apenas 12 anos, não tem dúvidas: “bailarino e professor de tango”. Nascido em Mar Del Prata, o garoto é considerado um dos mais promissores dançarinos de tango da nova geração. Hoje, ele está em Curitiba para um workshop sobre o ritmo latino no teatro Cleon Jacques.

“Para dançar tango, é preciso ter muito domínio corporal, coordenação motora e capacidade de condução. Coisas normalmente difíceis para uma criança. Porém, Augustin tem uma inteligência corporal específica, que não é comum para a idade dele. Ele cria movimentos de acordo com a música, o espaço e a sensação que tem com a dança”, afirma a professora de dança e pesquisadora de ritmos latinos, Vânia Andreassi, que é responsável pela vinda de Augustin ao Brasil.

Daniel Caron
A professora Vânia Andreassi acompanha Augustin em workshop hoje em Curitiba.

O menino começou a dançar aos oito anos de idade, por influência do pai, o professor de tango argentino Luís Rojas. “Fui assistir uma aula de meu pai e estavam faltando mulheres para dançar. Então, ele me pediu que ajudasse na formação dos pares. Foi assim que comecei a aprender e a gostar de dançar. Hoje, para mim, o tango é uma diversão, uma paixão e um entretenimento”, diz Augustin.

O tango surgiu no subúrbios da cidade de Buenos Aires, em meados do século XIX, de uma mistura de vários ritmos e culturas. No início, era praticado pelos representantes da baixa sociedade e tinha pouca aceitação. Porém, com o passar do tempo, começou a fazer sucesso na Europa (principalmente em Paris) e a se tornar popular em todo mundo.

“A dança teve seu auge na década de cinquenta. Passou por um declínio na década de sessenta e ressurgiu com bastante força nos anos oitenta”, informa Vânia.

Serviço

Workshop de tango, com Augustin Rojas.  Hoje, às 15h (para iniciantes) e às 17h30, no Teatro Cleon Jacques (Rua Mateus Leme, 4700, no Parque São Lourenço). Entrada: R$ 15,00.