Nome forte da chamada Vanguarda Paulista, o grupo Rumo retoma as atividades lançando o álbum Universo, cujo repertório é apresentado em cinco shows. A seguir, a cantora Ná Ozzetti fala sobre o reencontro com os outros integrantes – entre eles, Luiz Tatit e Hélio Ziskind. Renato Vieira

Como surgiu a ideia de gravar um novo álbum do Rumo?

Veio totalmente do Márcio Arantes (produtor do disco). Ele me ligou no fim de 2017 e perguntou o que eu achava, porque todos são envolvidos com os próprios trabalhos. Ter suporte de produção foi o motivo de a gente aceitar.

Foi difícil montar o repertório?

Márcio organizou um cronograma e seguimos. A gente tinha dúvidas se conseguiria levantar 12 músicas interessantes. No final, deu muito mais, e abrimos uma brecha para mais duas – aí, ficaram 14.

Além do álbum, teve a estreia de um documentário sobre o Rumo, exibido no festival É Tudo Verdade. Como você vê o legado do grupo?

A sensação é que o grupo nunca parou de existir. Pegamos o fio do último disco e a produção continuou. Com o documentário, acho que foi a primeira vez que a gente conseguiu se ver no momento em que surgimos. Para quem está dentro do processo, é difícil ter a noção de como aquilo está repercutindo para as pessoas. Para mim, era um processo importante que eu estava buscando. Mas eu não tinha noção se o Rumo tinha alguma importância.