Considerado um dos maiores instrumentistas da música popular brasileira, o flautista Altamiro Carrilho morreu na manhã de hoje no Rio, aos 87 anos, vítima de um câncer

O músico havia sido internado no mês passado num hospital em Copacabana, na zona sul do Rio, por complicações pulmonares. Ele chegou a passar três dias no CTI, e uma biopsia confirmou que Carrilho tinha neoplasia pulmonar (em que um tecido cresce de modo rápido e desordenado).

Carrilho tornou-se uma lenda do choro com uma extensa obra de cerca de 200 composições registradas em mais de cem discos, além de ter disseminado o gênero em vários países. Sua família ainda não divulgou informações sobre o velório e o enterro.

Nascido na cidade de Santo Antônio de Pádua (RJ), Altamiro Carrilho foi criado em uma família musical. Filho de Lyra de Aquino Carrilho e Otacilio Gonçalves Carrilho, ganhou sua primeira flauta aos 5 anos. Ainda criança, começou a fabricar os próprios instrumentos, serrando bambus e descobrindo diferentes timbres e afinações para a suas flautas.