São vinte filmes e vídeos premiados. Mas a escolha foi difícil segundo os jurados que participaram das duas pré-seleções do 10º. Festival de Cinema, Vídeo e Dcine de Curitiba. Segundo Esdras Rubim, presidente da Comissão Julgadora de filmes, mais da metade dos premiados foi escolhido por unanimidade, mas em cada divergência uma oportunidade para rediscutir o filme e assistir cada detalhe novamente.

Na seleção, a comissão contou com mais um nome para a difícil tarefa de decidir os premiados. O paulista Álvaro Fernando, músico e produtor, esteve em Curitiba para dar sua opinião e premiar o melhor filme do Festival, cujo diretor vai receber dez horas de utilização de estúdio para gravação, mixagem e masterização da trilha sonora do próximo trabalho. A escolha do prêmio tem um por que. ?Na hora de fazer um filme a trilha sempre fica por último e muitas vezes nessa hora já acabou a verba. Por isso a nossa escolha?, explica ele.

Álvaro também destacou a qualidade dos materiais. ?Foi bom e difícil. O tempo passou muito rápido assistindo esses filmes, mas na hora de dar o veredicto, foi complicado?. 

Os prêmios vão ser entregues todas às noites junto com a mostra. As categorias técnicas são: montagem, som, trilha sonora, direção de arte, fotografia, ator, atriz, direção e roteiro. Além disso, o melhor filme/vídeo de animação, ficção e documentário também recebem o Troféu Pinhão. E, é claro, o filme escolhido como o melhor do Festival pelo conjunto da obra. 

Já durante o Festival, esses filmes também vão ser analisados por dois júris diferentes: um composto por críticos e jornalistas especializados que estarão presentes no evento, o Troféu Aramis Millarch, e outro por espectadores, que vão indicar por voto popular suas preferências, o Troféu Ruy Guerra.

Durante a pré-seleção, os jurados também decidiram fazer uma menção honrosa com exibição durante o Festival de duas co-produções internacionais. Os dois filmes escolhidos foram Kollasuyo (Brasil/Bolívia) e Nailed (Brasil/EUA). ?Com a inclusão das co-produções, o Festival de Cinema de Curitiba confirma a missão de incentivar a realização de filmes paranaenses, brasileiros e, agora, internacionais, o que traz o fortalecimento do cinema no Brasil?, afirma a coordenadora do evento, Cloris Ferreira.

Para o presidente da mesa de jurados, Esdras Rubim, o bom nível do material analisado confirma a alta qualidade da produção de curtas metragens no Brasil. Segundo o especialista, que coordenou por mais de uma década o Festival de Cinema de Gramado, metade dos filmes selecionados são curtas, o que evidencia essa tendência. ?A produção de longas metragens esbarra na dificuldade de exibição, pelo alto custo da divulgação nas grandes mídias. Apostar em curtas e na sua exibição em festivais é a alternativa de muitos cineastas talentosos que o Brasil vem lançando?, avalia Esdras Rubim.

O jurado comentou que o interesse de emissoras de televisão pela exibição de curtas-metragens também tem incentivado a produção. Os filmes são selecionados a partir de festival e comprados pelas TVs.

Animações

Um dos destaques do 10º. Festival de Cinema de Curitiba será o 3º Encontro Internacional de Animadores, que ocorrerá paralelo ao evento, que contará com grandes nomes da animação mundial, como o brasileiro Lancast Motta, que foi o presidente da comissão de jurados de vídeo. ?Os animadores estão se unindo para formar um mercado. Foi criada a Associação Brasileira de Cinema de Animação (ABCA), o que tem incentivado parcerias internacionais e a produção locais?, analisa.

Segundo ele, o computador e a Internet são outros fatores que facilitam a produção de vídeos. ?Um jovem pode fazer um filme no seu quarto, usando programas de informática e divulgando o material na própria rede mundial de computadores?, diz.
Além do público adulto, as crianças também vão aprender animação durante a Oficina.