Na noite de 21 de outubro de 1967, Edu Lobo despontava de vez ao conquistar o 3.º Festival de Música Popular Brasileira, com “Ponteio”. Quarenta e quatro anos depois, se alguém ainda duvidava da perenidade de suas composições, os questionamentos caíram por terra na noite de ontem, na quarta edição do Copa Fest. O festival, realizado no Copacabana Palace, Rio, seguiu à risca o projeto idealizado por Bernardo Vilhena ao privilegiar a música instrumental no show de abertura com Mauro Senise e Gilson Peranzzetta, convidando Edu.

Na apresentação, que teve início com 45 minutos de atraso, no Salão Nobre, o craque dos sopros e o pianista tocaram temas de Casa Forte – Mauro Senise Interpreta Edu Lobo (2006), provando todo o entrosamento do duo, que comemora 20 anos.

Na sequência, eles receberam dois instrumentistas também muito requisitados: Zeca Assumpção, no contrabaixo, e Rafael Barata, na bateria, para tocarem No Cordão da Saideira e a clássica Pra Dizer Adeus (parceria com Torquato Neto).

No repertório, outros temas atemporais do compositor, como Ponteio e Canção do Amanhecer (parceria de um Edu ainda jovem com Vinicius de Moraes com acompanhamento de um quarteto de cordas no palco).

Houve espaço também para composições que nasceram instrumentais e depois acabaram ganhando letras de Paulo César Pinheiro para o disco Tantas Marés (2010), de Edu. Joias como Qualquer Caminho, inicialmente batizada de Valsa Carioca, e a também dolente e emotiva Tantas Marés, que antes de ganhar versos, chamava-se Arpoador.

Na segunda metade da apresentação, Senise chamou Edu ao palco, revelando que fizeram recentemente uma apresentação na Holanda, com uma big band local, que deve ser lançada no ano que vem em disco.

Convidado para uma breve participação, o compositor interpretou temas seus atemporais, como Vento Bravo (parceria seminal com Paulo César Pinheiro), Choro Bandido e A História de Lily Braun (ambas assinadas com Chico Buarque). No bis, ele ainda fez vocalize em Zanzibar.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.