Débora Lamm: melhor
relação com a imprensa.

Desde que apareceu em Celebridade como a simpática repórter Vitória, Débora Lamm tem percebido que a sua relação com os jornalistas mudou. Como vive na novela das oito uma “coleguinha”, a atriz afirma que os profissionais da imprensa a estão vendo com outros olhos. “Os jornalistas têm se aproximado de mim de uma maneira bem mais carinhosa. Parece que aprovaram a minha personagem”, vibra.

A atriz carioca atribui a relação cada vez mais cordial com os jornalistas à maneira despretensiosa que construiu a prestativa Vitória, uma repórter ética. “O Gilberto Braga me disse que a Vitória seria do bem e está cumprindo a palavra”, agradece.

Na verdade, Débora já havia interpretado outra repórter em Sabor da Paixão. Mas a atriz ressalta que a Paula da novela de Ana Maria Moretzsohn não tinha nada a ver com a Vitória de Celebridade. A história de Paula girava mais em torno de sua vida pessoal e poucas vezes aparecia realmente trabalhando com jornalismo. “É bem diferente, pois agora tive de mergulhar na profissão e fazer laboratório em empresas jornalísticas”, compara.

Nome: Débora Lamm.

Nascimento: Em 29 de janeiro de 1978, no Rio.

Primeiro trabalho na tevê: A novela Um Anjo Caiu do Céu, em 2001.

Momento marcante: A virada da minha personagem Alice em Um Anjo. Ela era um patinho feio que virava capa de revista.

A que gosta de assistir: Novelas e filmes.

A que nunca assistiria: Programas sensacionalistas, tipo o da Márcia Goldschmidt.

O que falta na tevê: “Programas sobre cultura.”

O que gostaria que fosse reprisado: Queria me ver de novo em Um Anjo.

Ator: Lázaro Ramos.

Atriz: Andréa Beltrão.

Com quem gostaria de contracenar: Com a Drica Moraes e de novo com o meu namorado Gustavo Mello, de preferência como um casal.

Uma novela: Vale Tudo, de Gilberto Braga.

Uma minissérie: Anos Rebeldes, de Gilberto Braga.

Livro de cabeceira: Livro do Desassossego, de Fernando Pessoa.

Filme: O documentário Tiros em Columbine, de Michael Moore.

Mania: Fazer xixi antes de dormir.

Mico: Sou tão desligada que nem lembro dos meus vexames, que são muitos.

Qualidade: Sou alegre e leal.

Defeito: Sou ansiosa e desorganizada.

Personalidade: Mahatma Gandhi.

Projeto: Após o Carnaval, vai estrear o filme 1972, da Ana Maria Baiana, em que interpreto a Monique, uma atendente de butique.