Até o próximo dia 4 de setembro, a capital do Paraná deve se tornar também a capital da literatura e da cultura do Brasil. A primeira edição da Bienal do Livro de Curitiba abre as portas para o público hoje, com programação bastante diversificada.

“Além de cultura e literatura, a bienal deve abordar temáticas ambientais. É a primeira bienal do Brasil que tem um tema. A crise planetária relativa às mudanças climáticas não pode mais deixar de ser abordada como uma questão ambiental”, diz o curador da bienal, o dramaturgo, cronista e escritor carioca Alcione Araújo.

A programação da bienal envolve exposição de livros, realização de mini cursos, exibição de filmes, palestras, oficinas, sessões de bate-papo com grandes autores, contação de histórias para criança e mesas-redondas.

“Farão parte da bienal diversas manifestações artísticas que são tangenciais ou conjuntas ao livro”, explica o diretor da agência Esfera, que é a organizadora do evento, Julcio Torres.

O lançamento de obras literárias – como trinta obras que serão lançadas dentro do projeto de literatura infantil Zepelim, da editora Positivo – também serão destaque.

Obras como O papel roxo da maçã, de Marcos Bagno, e A viagem de retalhos, de Sonia Robatto, entram no mercado editorial para estimular o imaginário infantil e despertar diversas sensações nas crianças.

“Marcos Bagno e Sônia Robatto, entre outros, são nomes que, com certeza, já representam e ainda representarão o melhor da literatura infantil daqui para frente. Embora sejam menos conhecidos do grande público, são autores tão primorosos como, por exemplo, Ana Maria Machado, Marina Colasanti ou Bartolomeu Campos de Queirós”, garante o editor de literatura infantil da Editora Positivo, Marcelo Del’Anhol.

“A bienal de Curitiba terá características bastante próprias. Em diversos lugares do mundo, as bienais passaram a ser mais focadas na venda de livros do que concentradas na literatura em si. Na capital paranaense, isto não deve acontecer. A cidade tem grande vocação literária e a bienal deve contemplar diversas questões referentes à contemporaneidade literária”, comenta Alcione.

Durante o evento, a história do Paraná não será deixada de lado. O Centro de Letras do Paraná estará lançando o primeiro Concurso de Monografia do Herói Nacional Barão do Serro Azul, voltado a estudantes do ensino superior e com premiação em dinheiro.

“O concurso visa resgatar a memória do Barão de Serro Azul e ajudar na divulgação da história do Paraná, que é bastante rica, mas pouco conhecida”, afirma o presidente do Centro, desembargador Luís Renato Pedroso.

Com investimento de R$ 1 milhão da iniciativa pública e privada, a bienal será composta de setenta estandes e tem público esperado de 50 mil pessoas, entre visitantes, artistas e expositores.

A programação completa do evento, assim como os horários e dias das atividades que o irão compor, podem ser acessadas através do endereço www.bienaldolivrocuritiba.com.br.

Serviço

1.ª Bienal do Livro de Curitiba. Começa hoje e vai até o dia 4 de setembro. Das 9h às 21h30, no Expo Unimed Curitiba – Universidade Positivo (Rua Pedro Viriato Parigot de Souza, 5300 – Campo Comprido). Entrada: R$ 2,00 e R$ 1,00. Idosos e crianças têm entrada gratuita.