São Paulo – Depois de fechar acordo milionário com a CBF, a Vivo quer aprofundar seu investimento no futebol. O primeiro objetivo é procurar um garoto-propaganda entre os atuais ídolos da seleção brasileira, capaz de rivalizar com Ronaldo, que tem contrato com a TIM, uma das principais concorrentes da Vivo no mercado brasileiro.

"Vamos pedir conselhos ao presidente Ricardo Teixeira, para que ele nos indique os jogadores que serão os ídolos do futuro. Dessa forma, podemos fazer um trabalho similar ao que foi feito com o Ayrton Senna", disse Luís Avelar, vice-presidente executivo de Marketing e Inovação da companhia telefônica.

O novo garoto-propaganda terá como ?colega? de trabalho a modelo brasileira Gisele Bündchen, que ontem fez uma rápida aparição no anúncio oficial do acordo, na sede da Vivo, em São Paulo: chutou umas bolas e ensaiou umas embaixadinhas.

A modelo também protagonizou a primeira peça publicitária envolvendo a companhia telefônica e a seleção, com direito até a um slogan: "Além de patrocinar a Deusa, agora a Vivo vai patrocinar os Deuses".

De acordo com o contrato anunciado ontem, a Vivo pagará US$ 4 milhões por ano à CBF, durante dez anos, com cláusula de renovação. Em troca, a operadora anunciará nas mangas dos uniformes de treino, nos ônibus da seleção e terá direito exclusivo ao conteúdo relativo da seleção brasileira.

"O fato de o Brasil ter grandes chances de sediar a Copa do Mundo de 2014 foi levado em conta em nosso acordo", confirmou Luís Avelar, responsável pelas negociações com a CBF.