A importância do jogo e o clima de rivalidade entre as torcidas de Paraná Clube e Atlético fizeram com que a Polícia Militar estabelecesse uma estratégia de segurança especial para o clássico de amanhã, às 16h. Com mais de uma dezena de pontos de bloqueio, criou-se um “cerco” ao Durival Britto – a partir das 13h – e somente torcedores com o ingresso em mãos terão acesso ao estádio. Foram disponibilizados dezessete mil ingressos para este jogo e a PM destacou um efetivo de 600 policiais para a partida.

“É importante que o torcedor garanta o ingresso com antecedência”, destacou o superintendente do Paraná Clube, Celso Bittencourt. A venda prossegue normalmente em todas as sedes do clube (Capanema, Kennedy, Tarumã e Boqueirão) até amanhã, ao meio-dia. Mesmo assim, o clube decidiu montar um “posto avançado” de venda, na esquina entre a Av. Dario Lopes dos Santos e a Conselheiro Laurindo. Quem estiver de carro, porém, não poderá estacionar no local para a compra de seu ingresso.

A expectativa é de “casa cheia”, o que elevaria significativamente a média de público do Tricolor nesta Série B, que até aqui, após nove jogos, é de 4.130 pagantes/jogo.

Atenção

A orientação da PM é para que os torcedores do Atlético utilizem a Engenheiros Rebouças para o acesso, já que a organizada Os Fanáticos também será escoltada por este trajeto de sua sede até a Vila Capanema.

“Acreditamos num grande jogo e torcemos para que haja muita tranquilidade fora de campo”, disse o vice-presidente paranista, Luiz Carlos Casagrande. A preocupação de todos é com a tensão entre as facções organizadas do clube, Os Fanáticos e Fúria Independente. O clima, que nunca foi amistoso, se deteriorou de vez após o assassinato do jovem paranista Diego Henrique Raab Gonciero, de 16 anos, morto com um tiro na cabeça, em frente à sede da Fúria, no mês passado. Crime ainda sem solução e que supostamente teria envolvimento de torcedores atleticanos.