Pinheirão está em atraso
com impostos desde 1991.

Não é de hoje que a Federação Paranaense de Futebol anda com as contas no vermelho. Assim como os clubes da capital, a entidade luta para tentar equilibrar as despesas, ao passo que tem que pagar dívidas do passado.

Ontem, o vereador Adenival Gomes (PT) tornou público um documento que assegura que a FPF deve R$ 3,1 milhões de IPTU aos cofres públicos. Segundo o documento, a dívida se arrasta desde 1991. A maior parte se refere ao Estádio Pinheirão – R$ 3.020.575,20. O restante, R$ 85.829,36, é referente à sede social da entidade.

?A dívida milionária referente ao Estádio do Pinheirão equivale a quase metade do valor do imóvel?, garante Adenival Gomes. Uma cópia do carnê do imposto de 2004, também obtida pelo parlamentar petista, revela que o valor venal do Pinheirão é de R$ 6,3 milhões.

O presidente da Federação Paranaense de Futebol, Onaireves Moura, não confirmou o débito, garantindo que a dívida é menor. ?Esse valor está incorreto. O debito é de R$ 1 milhão e pouco. Estão exagerando?, diz Moura, mesmo que os documentos mostrem o contrário.

Segundo o dirigente, a dívida vem crescendo ano a ano em função das multas pelo atraso. ?No total, temos um IPTU anual de R$ 130 mil. Além de quitar esse valor, temos que pagar as dívidas anteriores. Fica complicado.? Sem muita fonte de receita, Moura afirma que tentará fazer um acordo com a Prefeitura para utilização do Pinheirão para atividades direcionadas à comunidade. ?Temos muitos campos disponíveis, que ficam ociosos. Se a Prefeitura utilizá-los, podemos ir quitando os débitos aos poucos.?

Para viabilizar o projeto, Moura espera contar com o apoio de seu novo vice-presidente, o Secretário Municipal do Esporte e Lazer, Juliano Borghetti eleito em abril.

A idéia é vista com maus olhos pelo vereador. ?Independente da legalidade ou não de tal acúmulo de cargos é absolutamente imoral. Afinal, como pode a federação, que vem sistematicamente dando um calote milionário na Prefeitura, atrair secretários municipais para compor a sua direção??, questiona.