Belo Horizonte – Numa partida em que Atlético-MG e Santos criaram muitas chances de gol e na qual os dois mereceram a vitória, o placar de 3 a 3 foi perfeito.

A eliminação na Libertadores, para o Once Caldas, no meio de semana, ainda não foi bem digerida pelo Santos.

Luxemburgo escolheu o goleiro Júlio Sérgio como culpado pelo fracasso no torneio sul-americano e promoveu a entrada de Mauro. Entrou também o meia Ricardinho, fora de ritmo, muito nome e pouco jogo, e Narciso, substituído no intervalo.

Com a bola em jogo, o Atlético se mostrava mais organizado. Ao contrário do Santos, mais vontade do que organização.

Diego marcou aos 17, chute com força, com raiva. Era o renascimento do time? Ainda não. Elano estava mal e deixou o adversário cruzar para Alessandro. Ele dominou e chutou no canto. Aos 36, Alex Mineiro, livre, virou para os donos da casa.

Um minuto depois, Léo caiu na área e Wagner Tardelli marcou pênalti. Robinho bateu e Eduardo espalmou. No rebote, sozinho, chutou para fora. Se o primeiro tempo foi bom, o segundo foi eletrizante. O Santos, dos 15 aos 22 minutos fez arrepiar a torcida. Aos 15 porque Elano recebeu cruzamento de Léo e empatou de cabeça. Aos 22 porque Deivid fez jogada de craque, pôs debaixo da perna do zagueiro e chutou forte: 3 a 2. Pena que aos 27. Dejair empatou de fora da área. Dois gols foram anulados. André Luiz para o Atlético, impedimento bem marcado; e Paulo César, em posição regular, para o Santos, erro da arbitragem.

Ficha Técnica

Gols: Diego aos 17?, Alessandro aos 26?, Alex Mineiro aos 36? do 1.º tempo; Elano aos 15?, Deivid aos 22? e Dejair aos 27? do 2.º. Atlético-MG: Eduardo; Alessandro, André Luiz, Gaúcho e Rubens Cardoso; Zé Luís, Márcio Araújo, Renato (Juninho) e Tucho (Dejair); Rafael Lopes (Wagner) e Alex Mineiro. Técnico: Paulo Bonamigo. Santos: Mauro; Elano (Claiton), André Luís, Narciso (Domingos) e Léo; Paulo Almeida (Paulo César), Renato, Ricardinho e Diego; Robinho e Deivid. Técnico: Vanderlei Luxemburgo.