São Caetano do Sul – O São Caetano está determinado a aproveitar a chance de abrir as quartas-de-final da Taça Libertadores da América no Estádio Anacleto Campanella, no ABC, para vencer, e bem, o Boca Juniors, hoje, às 21h45. O objetivo é não depender de um grande resultado no jogo de volta, dia 25, terça-feira, no histórico Estádio “La Bombonera”, em Buenos Aires, na capital argentina, que definirá uma vaga nas semifinais.

Na visão do técnico Muricy Ramalho, os dois times têm características semelhantes: não contam com nenhum grande astro, praticam um futebol solidário e são fortes na marcação. Mesmo assim, existem duas armas adversárias que deixam o técnico brasileiro de cabelo em pé: os contra-ataques e o jogo aéreo.

Mas como não se pode ficar o tempo todo só elogiando o adversário, Muricy também enaltece seus jogadores e aponta o caminho para buscar a vitória. “Nós também marcamos bem. A defesa terá que ficar atenta, e nossos volantes, que se mexem muito, vão ter que dar o sangue”, explica. Para furar a esperada marcação argentina, com duas linhas de quatro marcadores, a saída é a troca rápida de passes e a inversão rápida de jogo pelos dois lados do campo.

Mistério

Ele, porém, escondeu de todos a formação tática do Azulão. O provável é o tradicional 4-4-2, com o volante Fábio Santos reforçando a marcação no meio-de-campo ao lado dos volantes Marcelo Mattos e Mineiro. Só Gilberto teria um pouco mais de liberdade para tentar criar jogadas aos atacantes.

Os volantes, porém, podem descer com a bola carregada, na tentativa de aparecer como elemento surpresa. A outra opção é reforçar a linha de zagueiros, com Gustavo entrando ao lado de Dininho e Serginho, o que daria mais liberdade para os alas, Ânderson Lima e Triguinho, apoiaram o ataque e forçarem, principalmente, os cruzamentos.

No ataque, Fabrício Carvalho tem presença confirmada, mas seu companheiro está indefinido. Deve ser um atacante rápido provavelmente Euller. Desta forma, Warley e o grandalhão Somália ficariam como opções para o segundo tempo.

Maratona

Num clima de decisão, os jogadores parece até esquecer o cansaço provocado pela maratona de jogos disputados nesta temporada. O confronto diante do Boca Juniors será o 30.º jogo do Azulão em 2004 no período de 121 dias, com média de um jogo a cada quatro dias.

Esta seqüência de jogos começou dia 21 de janeiro com o campeonato paulista, onde o time disputou 15 jogos. Fez cinco jogos pelo Campeonato Brasileiro e nove pela Libertadores. A derrota para o Figueirense, por 1 a 0, domingo, em Florianópolis quebrou uma série de 14 jogos invicto do Azulão, com oito vitórias e seis empates.

Apesar da importância do jogo, não é esperada a presença de grande público. A torcida do Azulão ainda é pequena, porque o time é novo.

São Caetano – Sílvio Luiz; Ânderson Lima, Dininho, Serginho e Triguinho; Marcelo Mattos, Mineiro, Fábio Santos (Gustavo) e Gilberto; Euller e Fabrício Carvalho. Técnico: Muricy Ramalho.
Boca Juniors – Abbondanzieri; Calvo, Schiavi, Burdisso e Clemente Rodríguez; Villareal, Cascini, Vargas e Cagna; Schelotto e Tévez. Técnico: Carlos Bianchi.
Juiz – Rubén Selman (CHI)