Muricy Ramalho está insatisfeito com o futebol do Santos no Campeonato Paulista e vai aproveitar a ausência de Neymar (três cartões amarelos) para mexer no time que encara o Atlético Sorocaba, neste domingo, a partir das 18h30, no Estádio Walter Ribeiro, em Sorocaba. Além de escalar Giva, que foi o escolhido para formar a dupla de ataque com André, o treinador deve deixar o volante Marcos Assunção no banco para escalar Renê Júnior, que não atuou diante do Corinthians por estar suspenso.

Outro que pode ficar fora é o veterano lateral-esquerdo Léo. Nos últimos dias, ele não participou dos treinos com bola e poderá ser substituído pelo garoto Émerson Palmieri, cuja escalação é uma das reivindicações da ala da torcida santista descontente com o trabalho do treinador – o pedido é para que Muricy aproveite mais os jogadores formados nas categorias de base do clube.

“Mais uma vez vamos jogar sem Neymar e, por isso, estamos pensando no que fazer. Na frente é quase certo que deve jogar Giva e André. Atrás temos dúvida quanto ao Léo, que não treinou e vamos decidir na hora do jogo”, disse Muricy. “Vai jogar (no meio) quem treinou durante a semana”, acrescentou o treinador – e, nos três treinos secretos da semana, Renê Júnior foi o volante titular.

Apesar de o Atlético Sorocaba ter vencido apenas dois jogos no campeonato, Muricy está preocupado e lembra que o adversário melhorou com a contratação do novo treinador, Vágner Benazzi. “É um time que temos de respeitar. Além disso, nós precisamos da vitória”, lembrou o comandante santista.

A pressão pela troca no comando técnico do Santos diminuiu após o empate contra o Corinthians, no último domingo, mas ainda existe. Na semana passada, dirigentes e conselheiros temiam que acontecesse uma derrota vergonhosa no clássico e o 0 a 0 foi recebido com alívio. Mesmo assim, continua a cobrança para que Muricy melhore a qualidade do futebol santista e dê padrão de jogo ao time.

“Todo ano é igual. No começo do campeonato é difícil para os grandes e depois, na reta final, eles ficam fortes. Os grandes sofrem muito pela preparação atrasada em relação aos times do interior”, justificou o treinador. O que mais incomoda Muricy é que os reforços que ele exigiu ainda devem futebol com a camisa do Santos.

Montillo, contratado para ser o novo dono da camisa 10, até agora não teve nenhuma atuação que justificasse o esforço feito para sua chegada à Vila Belmiro. Já são nove jogos, nenhum gol e apenas um assistência (no gol de Cícero diante do Bragantino). Uma decepção para quem custou quase R$ 20 milhões e foi o eleito para livrar o Santos da dependência de Neymar.

“É difícil falar de Montillo porque é um grande jogador, realmente diferenciado. Mas a gente vê que ele está trabalhando duro para voltar a jogar como atuava antes. Não temos dúvida sobre o jogador que Montillo é e que está procurando melhorar, o que vai acontecer rapidamente”, avisou Muricy.