Vencedor do GP da Áustria neste domingo, Nico Rosberg voltou a exibir força pela Mercedes. Depois de largar da terceira posição no circuito de Spielberg, o piloto alemão deixou para trás a dupla da Williams formada por Felipe Massa e Valtteri Bottas, que dividiram a primeira fila do grid, e no fim da prova ainda suportou com certa tranquilidade a pressão exercida por Lewis Hamilton, seu companheiro de equipe, que terminou em segundo lugar.

Após a prova em solo austríaco, Rosberg festejou o fato de que ampliou ainda mais a sua vantagem sobre Hamilton na liderança do Mundial de Fórmula 1. Agora tem 165 pontos, contra 136 do inglês, que hoje é visto como única ameaça real na briga pelo título, pois o australiano Daniel Ricciardo, atual terceiro colocado do campeonato pela Red Bull, tem apenas 83 pontos, enquanto Fernando Alonso, da Ferrari, tem 79.

“Estava ainda muito confiante para a corrida e sabia que poderia vencer mesmo largando do terceiro lugar”, afirmou o alemão, que depois enfatizou: “Estou extremamente feliz. Ampliar minha liderança era o principal objetivo nesta corrida”. Ele, porém, evitou exibir muita euforia. “Vinte e nove pontos é uma boa vantagem, mais ainda é muito cedo nesta temporada.”

Ao triunfar neste domingo, o piloto da Mercedes também fez história ao superar o número de vitórias do seu pai, Keke Rosberg, campeão mundial de F1 em 1982. Ele agora soma seis ao total na categoria, sendo três delas obtidas apenas neste ano, enquanto Keke subiu ao topo do pódio por cinco vezes como piloto da categoria.

Com o triunfo, Nico também se igualou a John Surtees, Tony Brooks, Gilles Villeneuve, Jacques Laffite, Riccardo Patrese, Ralf Schumacher e Jochen Rindt como pilotos que já venceram por seis vezes na F1. “Foi fantástico vencer hoje e também foi ótimo ter dois pilotos da Mercedes na frente”, festejou.