Foram 15 rodadas para chegar ao momento de, enfim, começar a decidir efetivamente sua vida no Campeonato Paulista. E por jogar em casa contra um adversário de menor expressão é que o São Paulo entra praticamente obrigado a bater o Penapolense nas quartas de final, nesta quarta-feira, a partir das 22 horas, no Morumbi. O time sabe que se for eliminado voltará a viver momentos conturbados e de muita cobrança. E aposta no bom momento que vive para fazer valer o favoritismo.

Em 2013, o São Paulo não teve vida fácil contra o mesmo Penapolense. Também pelas quartas de final, e jogando no Morumbi, conseguiu um magro 1 a 0 graças a um gol contra de Jailton nos minutos finais. A lembrança desse confronto serve de alerta para os jogadores, que querem evitar o sufoco desta vez.

“Precisamos entrar ligados desde o início. No ano passado foi muito difícil e só ganhamos com um gol contra. As equipes vêm fechadas ao Morumbi, e isso dificulta e atrapalha. Precisamos ter calma para fazer o nosso jogo”, disse o atacante Osvaldo, um dos remanescentes do grupo de 2013.

O maior motivo de preocupação é pelo fato de a vaga nas semifinais ser definida em um único jogo, o que não dá margem para erro. O técnico Muricy Ramalho vem batendo na tecla de que o time não pode entrar em campo disperso, sob o risco de pagar muito caro. Ele julga fundamental conseguir uma vitória convincente para mostrar que o São Paulo definitivamente mudou de postura em relação a 2013.

A equipe será praticamente o mesmo que jogou grande parte da primeira fase do campeonato. A exceção fica por conta do volante Souza, que não se recuperou a tempo de um estiramento no ligamento do joelho direito. Wellington, mais uma vez, será o substituto.

A formação ofensiva com três atacantes será mantida para tentar furar o esperado bloqueio defensivo do Penapolense – ninguém acredita que a equipe dirigida por Narciso tentará jogar de igual para igual no Morumbi, preferindo esperar chances de contra-atacar. E o desempenho do adversário contra os grandes é citado como prova de que se trata de um time perigoso.

“Eles ganharam do Santos (4 a 1) e empataram com o Corinthians (0 a 0). Alguma coisa de bom eles têm. Jogam com dois atacantes muito fortes e um meia que vem jogando bem”, analisou o zagueiro Antonio Carlos.

Mas o Penapolense já viveu momentos melhores no campeonato – e nas últimas seis rodadas, conseguiu apenas um ponto. A última vitória aconteceu no dia 19 de fevereiro: 2 a 1 sobre a Portuguesa.

Apesar de o jogo ser eliminatório, a expectativa é por um Morumbi apenas parcialmente cheio – o que tira um fator de pressão sobre os visitantes. Por isso, os jogadores têm feito apelos para os torcedores comparecerem. “A torcida tem sido muito importante para a gente. Já mostramos a nossa força no Morumbi e temos de manter isso”, disse o atacante Luis Fabiano.