O Paraná Clube pisou fundo e superou sem traumas o momento que se desenhava como crítico. Logo após a estreia de Roberto Cavalo – num empate sem gols com o Icasa -pintou-se um quadro terrível para o clube.

Quatro rodadas com três jogos fora, que poderiam colocar o Tricolor muito próximo da ZR. Nada disso. Mostrando poder de recuperação, o grupo passou invicto por esta maratona, chegou aos 43 pontos e ainda se permite sonhar com uma reta final épica.

“É possível sonhar e a gente vai atrás desse sonho. É assunto nas nossas conversas e não podemos desistir agora”, disse o zagueiro Alessandro Lopes, alimentando a busca por uma sequência de sete vitórias. “Futebol é momento. Pode parecer improvável, mas não é impossível e temos que acreditar”, completou Lopes. “Há algumas semanas, estávamos desacreditados e muita gente apostava na nossa queda. Demos a volta por cima e isso serve de exemplo. Futebol é vitória”.

A mudança de atitude está intimamente ligada à chegada de Roberto Cavalo. Seu desempenho marcante no ano passado trouxe confiabilidade ao trabalho, a torcida veio junto e nessa somatória o Paraná atingiu a marca de 11 pontos em cinco jogos. O rendimento de 73,3%, é “de campeão”.

O Coritiba, líder da Série B, por exemplo, tem desempenho de 64,5%. Só que os números do Paraná de Cavalo não são suficientes para o acesso. Caso mantenha a atual performance, fecharia a participação com 58 pontos.