Roma – O economista Giancarlo Abete, de 56 anos, foi eleito ontem o novo presidente da Federação Italiana de Futebol, o primeiro a assumir o cargo em definitivo desde o escândalo de manipulação de resultados que atingiu o futebol do país no ano passado. Abete trabalha na entidade desde 1990 e foi um dos poucos dirigentes que se mantiveram à parte no escândalo, que provocou o rebaixamento e a cassação de dois títulos da Juventus, além de punições a vários outros clubes e a dirigentes.

Franco Carraro, que havia sido eleito em 2001, renunciou ao cargo por aparecer em conversas telefônicas comprometedoras com dirigentes de clubes. O ex-senador Guido Rossi, um dos cabeças da operação ?Mãos Limpas?, contra a corrupção na Itália, assumiu o cargo interinamente e depois o repassou a Luca Pancalli.

Abete foi chefe de delegação da seleção na Copa do Mundo de 2006, quando a Itália conquistou o tetra.