Rubens Barrichello andou menos de 30 km na estréia oficial da nova Ferrari, ontem no Bahrein. Ao final de cinco voltas no primeiro treino livre, o câmbio de seu carro quebrou. Sem peças para reposição, já que a F2005 foi embarcada às pressas para o Oriente Médio, o problema não pôde ser resolvido, mesmo havendo duas horas de intervalo entre as duas sessões. Componentes novos tiveram de ser enviados da Itália. ?Só vai dar para arrumar para amanhã (sábado)?, disse Ross Brawn, diretor-técnico do time.

São Paulo – Não foi uma boa maneira de começar a vida do carro que carrega as esperanças ferraristas de uma reação no Mundial de Fórmula 1. ?Agora temos de estudar os dados do carro do Michael para ver o que fazer no resto do fim de semana. Mas apesar da quebra, ter a F2005 aqui foi um passo à frente para nós?, disse o brasileiro. Com o carro do ano passado, o time somou dez pontos em duas etapas. A líder Renault tem 26.

Schumacher andou um pouco mais, 21 voltas no total, debaixo de um sol escaldante de 38 graus e mais de 50 no asfalto. O alemão, quinto colocado na segunda sessão livre, gostou do que teve nas mãos. ?Andei o suficiente para saber em que direção devemos seguir na escolha de pneus e acerto do carro. Não tive problema nenhum e isso é bom para uma estréia.?

Como neste ano os motores devem durar duas corridas, ninguém se esforçou demais ontem. O mais rápido do dia foi Alexander Wurz, piloto de testes da McLaren, com 1min30s695. Já foi um tempo próximo ao da pole de Schumacher no ano passado, 1min30s139.

Na lista dos 24 pilotos que foram para a pista (os 20 titulares e os quatro de testes), os dois que mais andaram foram Robert Doornbos, da Jordan, e Vitantonio Liuzzi, da Red Bull, com 49 e 47 voltas, respectivamente. Ambos usam os terceiros carros aos quais seis times têm direito em fins de semana de GP (Sauber e Minardi podem, mas não usam). ?Os tempos de sexta não significam nada?, resumiu David Coulthard, da Red Bull. ?É um dia que só serve para escolher o pneu.?

Os treinos livres de sábado tiveram início às 3h de hoje (de Brasília). O grid começa a ser definido com a primeira sessão às 7h e termina na madrugada de amanhã, às 4h30. A largada do GP do Bahrein, que terá 57 voltas, acontece às 8h30 de amanhã.

Diário da F-1

Camelos

São tradicionais as brincadeiras de 1.º de abril na F-1. A de ontem em Sakhir, que circulou como ?notícia? no paddock, foi a de que os organizadores colocariam camelos na pista para fazer uma exibição. E que os pilotos, irritados, fariam uma greve para impedir a demonstração. Até que essa foi leve. Em 1992, num 1.º de abril, o L?Equipe, jornal francês, noticiou a volta de Prost à F-1. No lugar de Senna.

Lento? Não diga…

Craig Pollock, ex-empresário e amigo de Jacques Villeneuve, disse que o canadense está se sentido ?lento? no carro da Sauber. ?Mas o carro também não é nada rápido. Ninguém está feliz com a situação?, falou o ex-dono da BAR. Jacques terminou a primeira corrida do ano em 13.º e na segunda, rodou sozinho. Há quem aposte, na imprensa européia, que ele não chega na metade da temporada.

Nada mudou

Para Fernando Alonso, o líder do mundial, a nova Ferrari não assusta. ?Pelo que pude ver nos primeiros treinos, o desempenho deles não vai ser muito diferente do que foi na Malásia e na Austrália. Mas, da mesma forma, continuo achando que a Ferrari e a McLaren vão ser nossos maiores adversários neste ano?, falou o espanhol da Renault, que tem 16 pontos no campeonato.