O Santos tem a chance de ser o primeiro tricampeão paulista desde 1969, quando o próprio clube conquistou o terceiro título seguido da competição, ainda com Pelé. Por outro lado, o Guarani tem a chance de ser campeão estadual pela primeira vez na história. Estes fatores fizeram com que Neymar apontasse que, independentemente do lado que sair vencedor, a decisão do Campeonato Paulista deste ano, entre as duas equipes, será “inesquecível”.

“É uma final inédita e os dois clubes estão querendo fazer história. Vai ser um duelo inesquecível e é uma final que todo mundo vai querer assistir. São dois times que não têm medo de jogar”, declarou o atacante, em entrevista coletiva nesta quarta-feira.

Também nesta quarta, a Federação Paulista de Futebol divulgou que as duas partidas da final serão disputadas em São Paulo, no Morumbi, nos dois próximos domingos. Isto poderia aumentar o favoritismo do Santos, já que o Guarani não poderá contar com a força de sua torcida no Brinco de Ouro da Princesa.

Neymar, no entanto, discordou desta análise e previu um confronto igual. “Todo mundo fala que o Santos é favorito, mas isso fica do lado de fora. Se não tiver respeito ao adversário, pode perder o campeonato”, disse o jogador, que comemorou o reencontro com o Morumbi, onde marcou três gols na semifinal, na vitória por 3 a 1 sobre o São Paulo. “Já dei sorte no Morumbi. Fiz três gols lá e espera continuar dando sorte”.

Além da relação especial com o Morumbi, Neymar também já deu sorte contra o Guarani. Na Copa do Brasil de 2010, o Santos goleou o time campineiro por 8 a 1 e o atacante marcou cinco gols. “Lembro dos cinco gols, foi uma certa sorte. Acho que não repetirei, mas até que seria bom. Mas o que eu quero mesmo é a vitória”, comentou.

Independentemente do adversário, Neymar tem tido grandes atuações, uma atrás da outra, e já levou o Santos a quatro títulos em cerca de três anos e meio como profissional. No Paulista, esta será a quarta final em quatro edições disputadas pelo jogador, que já a venceu por duas vezes – perdeu apenas para o Corinthians, em 2009. “Depois do jogo contra o São Paulo comentei que era nossa quarta final seguida e fico feliz de nunca ter ficado fora”, disse.

Os títulos estaduais, aliados ao da Copa do Brasil de 2010 e da Libertadores de 2011, além das grandes atuações, colocam Neymar entre os maiores nomes da história do Santos. Ele, no entanto, ponderou sobre esta idolatria e disse que não se vê como o principal jogador do clube depois de Pelé. “Para mim, tem outros jogadores acima de mim. Como sempre digo, Robinho é meu ídolo. E quem tem um ídolo, o ídolo está sempre acima”, avaliou.