Walter Alves
Volante sobe para cabecear: bola perdida definiu clássico no finalzinho. Só Zetti amaciou e criticou juiz.

Um lance equivocado transformou o volante Serginho em vilão do clássico de ontem. Nem mesmo os companheiros pouparam a falha do jogador, que perdeu a bola perto da área paranista no lance que originou o gol da vitória coxa-branca.

?Todo mundo viu o que aconteceu. Jogador deve ter seriedade em campo, os gols acontecem nos detalhes.

Tem que tirar a bola da área?, esbravejou o goleiro Flávio, que por outro lado assumiu a culpa no mesmo gol, quando espalmou a bola para dentro da meta. ?Falei e assumo minha responsabilidade.

São coisas que acontecem?, falou o goleiro. ?Até falamos no vestiário que bola na área é pra tirar. Mas faz parte, também errei num dos gols?, disse o zagueiro João Vítor. ?Não pode vacilar. Tomamos o gol de bobeira?, completou o meia Renan.

Somente o técnico Zetti livrou a barra de Serginho.

?Foi meu jogador quem sofreu a falta, mas o árbitro inverteu. Ele (Denival de Morais) ainda segurou nosso time, dando falta em qualquer esbarrão nos jogadores do Coritiba e amarelando nosso time sem necessidade?, protestou.

O treinador tricolor considerou a derrota injusta, especialmente pela evolução apresentada no segundo tempo.

?No primeiro, aceitamos os 2 x 0 sem reagir. Depois arrumei o posicionamento, com Elton, e o time reagiu.

Só foi triste tomar o gol daquela maneira?, disse.

Libertadores

Depois do clássico, as atenções dos paranistas se concentram definitivamente na partida contra o Cobreloa, quarta-feira, na Vila Capanema, pela 1.ª fase da Copa Libertadores. Os titulares, que não jogaram ontem com exceção de Flávio, treinam hoje de manhã e de tarde, quando Zetti define a equipe para enfrentar os chilenos.

A procura pelos ingressos cresceu bastante depois da vitória tricolor no jogo de ida. De um total de 17 mil ingressos, faltam ser vendidos pouco mais de 4 mil, apenas para os setores curva norte, social coberta e geral social.

Os bilhetes para cadeiras e reta do relógio já estão esgotados.

Também não foram vendidos os 2 mil ingressos destinados a torcedores do Cobreloa. Mas, como o regulamento da Libertadores não obriga o mandante a deixar uma cota aos visitantes, e os chilenos devem vir em pequeno número à Vila, a diretoria tricolor pensa em liberar pelo menos parte destes ingressos aos paranistas.

Estréia dá moral para Renan

Não foi a estréia dos sonhos de Renan – uma derrota no clássico contra o ex-clube. Mas o meia criado no Alviverde foi um dos poucos paranistas que se salvaram na partida diante do Coxa e ganhou moral para entrar no elenco da Libertadores.

O meia começou no banco de reservas, mas entrou logo aos 12 minutos do primeiro tempo, substituindo Zumbi. Mesmo sem ser brilhante, conseguiu armar alguns bons lances e participou ativamente do primeiro gol paranista, marcado por Lima. ?Fiz uma boa estréia. Acho que serviu para passar confiança ao Zetti e brigar para estar no grupo da Libertadores?, falou o jogador, que já programa uma ?revanche? contra o ex-clube. ?O campeonato é longo. De repente cruzamos com eles mais na frente e conseguimos a vitória?, falou o meia.

Se o Tricolor eliminar o Cobreloa, dois jogadores ainda poderão ser inscritos até o início da fase de grupos. Renan, Elton, Da Silva e outros ausentes da lista inicial de 25 jogadores terão pelo menos mais uma chance de mostrar serviço e tentar uma vaga – contra o líder Cianorte, quinta-feira, na Vila Capanema.

Cobreloa chega e já provoca o Tricolor

Mesmo a contundente derrota por 2 x 0 em pleno Estádio Municipal de Calama não tirou a pose dos chilenos do Cobreloa. Com base no desempenho das equipes na partida de quinta-feira, o meia Estaban Paredes concluiu que a reversão do placar é viável porque o Tricolor não é um ?bicho-papão?.

?Vamos (a Curitiba) com boa expectativa. Acredito que o Paraná não é um bom time. Naquele dia (quinta-feira) cometemos dois erros e nos surpreenderam duas vezes?, disse Paredes ao jornal El Mercurio de Calama. Para o meia – que já havia previsto uma vitória de sua equipe no jogo de ida, após observar alguns vídeos do Tricolor o principal defeito de sua equipe em Calama foi o excesso de cruzamentos para a área. ?Agora vamos jogar de outra maneira, sem tanta pressão. Temos que entrar mais com tabelas, tocar a bola e nos aproximar. E creio que eles (Paraná) vão sair mais?, disse o meia.

O técnico Gustavo Huerta também demonstrou confiança, mas foi mais político. ?Conversamos com os jogadores e concordamos que podemos reverter o resultado. Faltam 90 minutos e temos que aproveitá-los. Além disso, o Paraná certamente usará estratégia completamente diferente da que teve em Calama, e isso  pode nos dar algumas facilidades?, afirmou. O treinador não confirmou o time que entra em campo, mas é possível que repita a equipe utilizada na quinta. Uma eventual mudança seria a entrada do jovem meia Charles Aránguiz no lugar do argentino Cristián Rios.

Chegada

O Cobreloa chegou no final da tarde de ontem em Curitiba, depois de uma cansativa viagem. A delegação chilena saiu sábado à tarde de Calama, passou a noite em Santiago e no começo da manhã voou para São Paulo, para depois seguir ao Aeroporto Afonso Pena.