Prestes a iniciar a sua 18ª temporada no circuito profissional, Rafael Nadal não se imagina jogando como Roger Federer no futuro. O tenista espanhol, atual número 1 do mundo, admite que deve encerrar sua carreira antes de atingir os 36 anos do rival, que segue em quadra e completará 37 em agosto do próximo ano.

“Cada um tem os seus caminhos e eles são diferentes. Acredito que o que é bom para um não precisa ser necessariamente para outro. Tenho 31 anos e os 37 que Federer completará me parecem muito longe. Penso no meu dia a dia e acho que ele também não pensava há seis anos que estaria jogando agora”, disse Nadal, em entrevista ao jornal espanhol AS.

“Cada um tem a sua vida, o seu preparo físico, a sua mente. E tudo isso te leva até onde pode te levar. Quando eu tinha 26 anos, não pensava que estaria jogando com 31. E agora não me imagino jogando tênis com a idade de Federer. Nunca se sabe, porque este é um assunto de físico, de sonho, de estar preparado.”

Se encerrar a carreira antes da idade atual de Federer, Nadal terá menos chances de alcançar os recordes do rival. A principal marca em disputa é a de títulos de Grand Slam. O suíço tem o recorde de 19, contra 16 do espanhol. Nadal, contudo, disse não se importar com esta marca histórica.

“Três Grand Slams são muita coisa e isso não me preocupa. Não vou ficar mais feliz por ter mais título do que o Roger quando me aposentar”, assegurou o atleta, que tampouco diz se preocupar com a liderança do ranking.

“A esta altura de minha carreira, é legal que tenha acontecido a oportunidade de ser o número 1. Estou aproveitando a chance e isso me faz feliz porque os resultados me levaram a isso. Mas em nenhum momento persegui ou vou perseguir este objetivo. Minha meta é seguir saudável e lutar para me manter competitivo. Se não for assim, tudo pode se complicar”, disse Nadal, que reduziu recentemente seu calendário de 2018 para evitar lesões.