A equipe brasileira de mountain bike deve protagonizar uma briga caseira pela medalha de ouro no sul-americano, hoje a partir das 10h30, no Parque Barigüi. Para a comissão técnica, a confiança é justificada pela experiência internacional e pela condição física dos atletas do país, que estão na reta final da temporada de competições no Brasil. “Tenho certeza que vamos ganhar medalha no mountain bike”, garante o treinador Iverson Ladewig.

Entre as mulheres, Jaqueline Mourão, de 25 anos, é a mais forte competidora. Há seis meses, ela vem fazendo um estágio no centro de treinamentos da União Ciclística Internacional (UCI), em Aigle, na Suíça. Além de ganhar experiência em diversos tipos de terreno, a ciclista teve oportunidade de enfrentar as melhores atletas do mundo. “Como as provas a Europa são mais longas, melhorei minha potência muscular”, comentou Jaqueline.

Já Adriana Nascimento, de 26 anos, e Erika Gramiscelli, de 18, treinam, respectivamente, em Campos do Jordão (SP) e Belo Horizonte (BH), duas cidades que dispõem de excelentes áreas para a prática do mountain bike. “Em Belo Horizonte, as trilhas ficam muito próximas da cidade. A minha casa está a quarenta minutos do local onde treino”, informou Erika. Ambas treinaram juntas por um mês em Campos do Jordão antes de virem disputar os VII Jogos Sul-Americanos em Curitiba.

Os homens também chegam aos jogos em condições de garantir a medalha de ouro para o Brasil. Como a temporada no País está na reta final, Marcio Ravelli, Odair Pereira, Abraão Azevedo, Edivando Souza Cruz e Albert Guinter Morgen vão competir no ápice de suas formas físicas. “Estamos todos numa fase excepcional. Acredito que vai dar Brasil no pódio. Se bobear, pegamos as três medalhas”, avaliou o paulista Marcio Ravelli, de 30 anos.