Marcel vai jogar no Sansung, da Coréia.

Parece que agora vai. O centroavante Marcel está muito perto do futebol coreano – para interlocutores do jogador, que está no Chile participando do pré-olímpico com a seleção brasileira, o negócio com o Samsung já está fechado, e logo após o torneio ele vai à Coréia do Sul para realizar os exames médicos e assinar contrato. O negócio envolveria pouco mais de 2,5 milhões de dólares, aproximadamente sete milhões de reais.

Os rumores dessa negociação surgiram há dez dias, quando teria acontecido a primeira conversa entre a direção do Coritiba e a do Samsung. A principal atração dos coreanos é o dinheiro – além de quase sempre aceitarem as pedidas dos clubes brasileiros, eles pagam, o que não acontece em outros mercados. Talvez por isso o Coritiba teria aceitado uma proposta menor que a pedida oficial, que era de três milhões de dólares. Oficialmente, a direção coxa nega a venda de Marcel.

Para o jogador, também é uma boa, já que os salários são geralmente três vezes maiores que no Brasil. Mas há um porém decisivo: jogando na Ásia, o atleta praticamente ?desaparece? do cenário nacional, ficando longe de possíveis convocações para a seleção brasileira. Um exemplo é Nádson, que disputou a Copa Ouro pela seleção olímpica e depois transferiu-se para a Coréia. O técnico Ricardo Gomes, quando soube da negociação, descartou o atacante de seus planos.

Mais negócios

Sobre possíveis contratações, o vice-presidente Domingos Moro preferiu mais uma vez não citar nomes, mas adiantou que a possibilidade de apresentar dois jogadores ainda esta semana é grande. ?Estamos trabalhando, as coisas estão melhorando. Esperamos ter novidades logo?, disse o dirigente. O volante e zagueiro Galeano confirmou ter recebido proposta do Coritiba.

Luís Mário brilha sozinho

Luís Mário pode até não querer, mas as atenções estão voltadas para ele. Enquanto o Coritiba não anunciar o nome do tal reforço de ?primeira classe? (e Marcel continua na seleção brasileira), o ex-atacante do Grêmio e do Corinthians é o principal jogador do elenco alviverde, que se prepara para as quatro competições de 2004, com destaque para a Copa Libertadores da América. Com conhecimento de causa na competição, ele anda até dando ?aulas? para os companheiros.

A experiência de Luís Mário na Libertadores aumenta ainda mais a visibilidade dele em relação aos companheiros – dos que estão no Coxa, apenas Reginaldo Araújo e Luís Carlos Capixaba jogaram a competição, mas apenas em uma oportunidade. O atacante já participou de três edições do principal torneio interclubes do continente e sabe da importância que ele tem na carreira de um jogador. ?É o momento em que todo mundo olha, a atenção aumenta. Todos se valorizam?, resume.

O jogador tem um objetivo claro no Coritiba – chegar à final da Libertadores, coisa que não conseguiu no Corinthians (eliminado pelo Palmeiras nas semifinais de 2000) e Grêmio (caiu ante o Olimpia nas semifinais de 2002 e nas quartas-de-final para o Independiente de Medellín no ano passado). ?Eu cheguei muito perto de decidir a competição e agora eu quero chegar lá e conquistar o título?, garante.

E ele não se cansa de passar experiências e dados para os companheiros – a adaptação de Luís Mário ao Coritiba foi surpreendentemente rápida. ?Às vezes, o professor (Antônio) Lopes me pede para falar e eu conto algumas situações que aconteceram comigo, e que servem para eles aprenderem como as coisas acontecem na Libertadores?, comenta o atacante, que já falou em três conversas de Lopes com o elenco.

Para o técnico e a diretoria, foi um acréscimo de qualidade e de caráter ao Coritiba. ?Ele é um jogador muito categorizado e que vai ser muito útil ao clube nesta temporada?, elogia Lopes. ?O Luís Mário demonstrou ser uma pessoa muito inteligente, com bagagem cultural e que é um exemplo altamente positivo para os mais jovens. Foi uma surpresa agradabilíssima?, completa o vice-presidente Domingos Moro.

Dentro de campo, Luís Mário é o símbolo do esquema tático de alta velocidade e trocas de posições implementados por Lopes. Ele fica, em tese, ?sediado? na direita, mas pode trocar de lado – e foi na esquerda que ele encontrou um de seus xodós. ?Esse Adriano é um ótimo jogador, vai ser muito bom jogar com ele?, festeja.

Brum e Nascimento disputam vaga

Não há muito tempo. A estréia do Coritiba no campeonato paranaense é daqui a uma semana (dia 21, contra o Iraty, no Alto da Glória), e o técnico Antônio Lopes realiza hoje o primeiro coletivo da temporada. A equipe já terá modificações, com a entrada de André Nunes no ataque, e abre-se uma dúvida no meio-de-campo, já que na movimentação de ontem o treinador escalou Roberto Brum na função de Reginaldo Nascimento.

Esta, talvez, seja a principal dúvida neste início de ano. Nenhum volante participou de um treino completo como titular – aconteceram três trabalhos táticos, nos últimos três dias. Quando Reginaldo ficou no meio, sobrou para o xará Araújo, que foi sacado para a entrada do ?Senador?, com Luís Carlos Capixaba indo para a ala-direita.

Nas outras posições, não há dúvidas – pelo menos por enquanto. Apesar da quase certeza que Esmerode será titular na defesa, ele dificilmente jogará contra o Iraty. Além de estar fora de forma, o zagueiro precisa regularizar sua situação no país, sendo necessária a ida até Foz do Iguaçu para apresentar-se à Polícia Federal, responsável pela expedição do visto de trabalho.

Na frente, André Nunes já será o centroavante titular, mas não se sabe se Luís Mário poderá participar do trabalho, marcado para as 9h, no CT da Graciosa. Com bolhas nos pés (?O gramado em que a gente está treinando é muito duro?, explica o atacante), ele foi poupado do treino de ontem, sendo substituído por Alexandre Fávaro.