Tcheco se recuperou e viajou
com a orientação de ajudar na
marcação, deixando a tarefa de
marcar Alex para Willians.

Podem usar todas as frases feitas que quiserem. “Jogo da vida”, “hora da verdade”, “tudo ou nada, “é hora da onça beber água” e outros tantos servem perfeitamente para o jogo do Coritiba contra o Cruzeiro, hoje, às 20h30, no Mineirão. Qualquer ponto trazido de Belo Horizonte representa muito, e uma vitória significa entrar de vez na luta pelo título brasileiro.

Claro que não será um jogo fácil. O Cruzeiro, campeão mineiro e da Copa do Brasil, é lider do campeonato com 51 pontos (seis a mais que o Cori), e não perde jogando em casa há quase um ano. Mas o Coritiba não chega ao Mineirão como uma grande zebra. É o quinto colocado no Brasileiro e há muito tempo não se aproximava tanto do líder, sem contar que pode assumir a vice-liderança da competição com uma vitória e tropeços de Santos, São Paulo e Internacional.

É com esse espírito que a delegação alviverde chegou a Belo Horizonte. “Sabemos da força do Cruzeiro, e respeitamos muito a campanha que eles estão fazendo e o time que têm. Mas não teremos medo”, avisa o técnico Paulo Bonamigo. Ele poderá contar com Tcheco, que não participou das duas últimas seções de treino, segunda à tarde e ontem de manhã. “Eu venho com fadiga muscular nos últimos jogos”, conta o armador.

Com Tcheco liberado, o Cori muda pouco na filosofia, na tática e na escalação. A alteração mais visível é a entrada de Willians, que será o ?perdigueiro? do meia Alex. Com isso, Tcheco terá mais funções defensivas, evitando que os volantes cruzeirenses se aproximem do gol. Nas alas, Adriano e Jackson terão que impedir os avanços de Maurinho e Leandro.

Na parte ofensiva, a novidade é a entrada de Lima, que volta a ocupar a terceira função do meio-campo. Com ele, Bonamigo espera ter maior aproximação com a dupla Marcel e Edu Sales – além disso, Lima será um dos encarregados dos contra-ataques, que podem ser decisivos em um campo de grandes dimensões como o Mineirão.

E como segue a desconfiança da crítica nacional, o treinador aproveita cada citação sobre o Cori nas conversas com os jogadores. “Com essa mobilização, somos capazes de fazer muita coisa, e surpreender muita gente”, diz Bonamigo. E nada mais surpreendente do que acabar com uma invencibilidade de quase um ano, e vencer o melhor time do país na atualidade. “Nós sabemos que todo mundo vai acompanhar esse jogo. Mas o que importa é o Coritiba, e vamos lutar muito para conseguir a vitória”, diz o zagueiro Danilo.

Time vai sem medo e com duas alterações

Para o técnico Paulo Bonamigo, ele ainda é dúvida. Para o médico Lúcio Erlund, ele está em tratamento, mas deve jogar. Mas para ?ele?, o meia Tcheco, não há nada de errado. As dores musculares não o tirarão da partida das 20h30 contra o Cruzeiro, e com isso o Cori só terá duas alterações em relação à equipe que venceu o Juventude no sábado.

O meio-campista não participou das duas últimas sessões de treino, segunda à tarde e ontem de manhã. Apesar de ter levado forte pancada do zagueiro Nivaldo ainda na segunda, o problema de Tcheco é muscular. “Eu venho com fadiga muscular nos últimos jogos, e na partida contra o Juventude até pensei em pedir para sair do jogo”, conta o armador.

No entanto, Tcheco garante que enfrenta o Cruzeiro. “Não vai ter problema. Eu fiz tratamento nesses dias e já estou bem melhor”, comenta, para alívio de Bonamigo. O treinador deixou Curitiba ainda sem a certeza absoluta de que o meia atuaria, tanto que já avisara Maurinho que ele jogaria na eventualidade da ausência de Tcheco.

Com o armador liberado, o Cori muda pouco na filosofia, na tática e na escalação. A alteração mais visível é a entrada de Willians, que será o ?perdigueiro? do meia Alex. Com isso, Tcheco terá mais funções defensivas, evitando que os volantes cruzeirenses se aproximem do gol. Nas alas, Adriano e Jackson terão que impedir os avanços de Maurinho e Leandro – principalmente o primeiro, importante arma ofensiva mineira.

Na parte ofensiva, a novidade é a entrada de Lima, que volta a ocupar a terceira função do meio-campo. Com ele, Bonamigo espera ter maior aproximação com a dupla Marcel e Edu Sales – além disso, Lima será um dos encarregados (ao lado de Edu) dos contra-ataques, que podem ser decisivos em um campo de grandes dimensões como o Mineirão.

Zinho volta a desfalcar a Raposa

Belo Horizonte

– O meia Zinho vai desfalcar o meio-campo do Cruzeiro novamente. O jogador sentiu dor na coxa durante a partida contra a Ponte Preta, no último domingo, e teve que ser substituído por Sandro no final do primeiro tempo.

O médico do clube, Sérgio Freire, informou que o jogador irá fazer uma ressonância magnética para verificar se há uma lesão mais grave na perna. “Ele sentiu uma fisgada na região posterior da coxa num pique que deu no jogo. Parece ser a mesma que sentiu há 15 dias e que o deixou afastado nesse período. Vamos fazer o exame, mas de qualquer forma ele está vetado para a partida de amanhã”, afirmou o médico.

Com o desfalque de Zinho, Sandro terá nova oportunidade na equipe. Os demais jogadores deverão ser mantidos, não havendo outras alterações para o jogo contra o Coritiba.