O presidente licenciado do Santos, Luis Alvaro de Oliveira Ribeiro, voltava de uma consulta médica nesta quarta à noite quando soube das críticas que ele e o presidente em exercício, Odílio Rodrigues Filho, receberam de Neymar, em desabafo no perfil do jogador no Instagram. Depois de ouvir por telefone a leitura da manifestação do maior ídolo santista depois de Pelé, Laor, como é conhecido o dirigente, demonstrou-se decepcionado, mas não contra-atacou.

“Neymar é um garoto e tem ligação muito grande com o pai. Meu estado de saúde piorou ultimamente, estou com uma filha também com problema de saúde e venho tentando reerguer a minha empresa. Estou voltando do médico e ele me proibiu de dar entrevista e queria que eu entrasse em recesso, suspendendo até a minha fisioterapia (respiratória)”, disse, à reportagem.

Depois de dizer que “esse assunto não me interessa mais”, Luis Alvaro fez questão de lembrar que teve relacionamento quase de pai para filho com Neymar enquanto estava na presidência e o jogador era do Santos.

“Tratei Neymar como se fosse meu filho e o convenci a continuar no Santos, desistindo de propostas milionárias do exterior. Não tenho mais nada a falar sobre isso. Deixamos a Justiça tratar do assunto. Contratamos um escritório de advocacia na Espanha e queremos ver esses contratos para sabermos se os 10 milhões de euros foram pagos pelo Barcelona quando Neymar tinha contrato com o Santos”, finalizou o dirigente. Odílio foi procurado mas não atendeu a ligação.