O técnico da seleção italiana de futebol, Marcello Lippi, será o garoto-propaganda de uma nova campanha do Ministério do Desenvolvimento Econômico contra a falsificação de produtos locais. A campanha publicitária, que marca uma cooperação entre o governo italiano e a Federação de Futebol Italiana (Federcalcio), será divulgada através da televisão, do rádio e da mídia impressa.

O ministro do Desenvolvimento Econômico, Claudio Scajola, afirmou nesta terça-feira, através de um comunicado, que “a falsificação é um grave dano para a economia”.Segundo Scajola, essa modalidade ilegal traz um “risco para os produtos italianos e para a segurança dos consumidores”, que são expostos a mercadorias de segundo nível.

Nos últimos dez anos, a falsificação determinou a perda de 40 mil empregos e uma queda na arrecadação do Estado, ressaltou o ministro italiano. “Para combater a falsificação, reforçamos as leis e as penas para os falsificadores”, acrescentou Scajola, que disse que, em breve, será instituído o Conselho Nacional Antifalsificação.

Em 2008, a polícia italiana apreendeu 95 milhões de produtos falsificados e, nos últimos dois anos, houveram 32 mil denúncias concluídas com a prisão de 1.200 pessoas por falsificação. “Estes dados confirmam que a falsificação alimenta um circuito da criminalidade organizada”, explicou Scajola, que ressaltou a importância de “todos os cidadãos” no combate ao problema.

No setor da moda, por exemplo, foram apreendidos 12,6 milhões de produtos falsificados no ano passado, cerca de 50% a mais do que em 2007.