Com talento e a força de seu carro, Lewis Hamilton venceu o GP da Alemanha de F1, em Hockenheim, ontem, assumindo a liderança isolada do campeonato. O inglês dava pinta que venceria fácil, mas um acidente de Timo Glock, que provocou a entrada do safetycar, quase mudou a história da corrida. Hamilton caiu para 5.º, mas voou, ultrapassou Felipe Massa e Nelsinho Piquet, entre outros. Aliás, o grande beneficiado foi o piloto da Renault, que fez apenas uma parada, chegou a liderar a prova e terminou em 2.º, em seu primeiro pódio da carreira. O representante da Ferrari acabou em 3.º e é o vice-líder do Mundial, com 54 pontos, quatro atrás de Lewis.

O pódio com dois brasileiros, aliás, aconteceu na última vez em 1991. Naquele ano, Ayrton Senna e Nelson Piquet dividiram os degraus de honra em duas ocasiões, nos EUA e na Bélgica. Em ambas as provas, Ayrton venceu, enquanto Nelson foi o terceiro.

Voltando ao GP alemão. Na largada, Massa precisou domar o ímpeto de Heikki Kovalainen, que tentou ultrapassá-lo a todo o custo nas voltas iniciais, mas sem sucesso. Todos, com apenas uma exceção, fizeram suas paradas entre as voltas 18 e 23. A exceção foi Nelsinho. O brasileiro apostou na estratégia de uma única parada, e só visitou os boxes no 34.º giro, quando estava em 12º. Porém, o piloto da Renault contou com a sorte, que veio na forma de Timo Glock. Duas voltas depois, Glock passou por sobre a zebra da reta dos boxes e a Toyota não aguentou a pressão. Resultado? Suspensão traseira quebrada, rodada e uma forte batida no pitwall, provocando a entrada do safetycar.

No final, Lewis, que vinha em 5.º, se aproximou de Massa e não teve dificuldades para tomar o 2.º lugar do brasileiro, que tentou revidar a ultrapassagem, mas sem sucesso. O ritmo do inglês era intenso, e ele tirou os dois segundos de vantagem de Nelsinho para, na 59.ª passagem, reassumir a liderança.