O Gladiador voltou. O Coritiba entrou com liminar e conseguiu, na noite desta quinta-feira (29), um efeito suspensivo no Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) para a punição do atacante Kléber. O atleta havia sido suspenso por 15 jogos por agredir e cuspir no volante Édson, do Bahia, no dia 15 de junho. Pela decisão, ele teria que cumprir doze, por ter já cumprido três anteriormente. Com o efeito suspensivo, ele está liberado para enfrentar o Vasco, no próximo domingo (2), na Vila Capanema, pela 11ª rodada do Brasileirão. E certamente será escalado pelo técnico Pachequinho.

A defesa do Coritiba fez o pedido por volta das 15h desta quinta, e teve a resposta cerca de cinco horas depois. O STJD não mudou seu entendimento geral sobre o efeito suspensivo. “Pela lógica, é uma obrigação legal porque o Kléber já cumpriu três jogos de suspensão quando o STJD fez a punição preventiva. E até o julgamento final, que deve ser daqui a 15 dias, ele tem por lei o direito de jogar”, explica Itamar Côrtes, advogado que representa o Coritiba.

Kléber foi denunciado em dois artigos do Código Brasileiro de Justiça Desportiva (CBJD). No primeiro, artigo 254-A (agressão física), a denúncia foi dupla e a pena varia de 4 a 12 partidas. Nesta categoria, ele pegou o gancho de 6 jogos. O atacante de 33 anos também foi punido no segundo, artigo 254-B (cuspir no adversário), por nove duelos, na pena que varia de 6 a 12 jogos.

“Ele foi punido acima das penas mínimas, sendo que poderia ter pego menos jogos. No próximo julgamento, a defesa tentará desclassificar a cusparada de agressão para ato hostil, em que a pena mínima é de um jogo”, explica Côrtes.