Responsável por liderar as investigações de doping da Rússia, o advogado canadense Richard McLaren afirmou nesta quarta-feira que o país corre o risco de sofrer punições mais severas se mantiver o discurso de negar as acusações de doping sistemático.

Para McLaren, os russos estão se colocando em situação complicada com este discurso, às vésperas da decisão do Comitê Olímpico Internacional (COI) sobre a presença do país nos Jogos Olímpicos de Inverno de PyeongChang, na Coreia do Sul, em fevereiro de 2018.

“Eles estão enfraquecendo a posição deles”, afirmou McLaren, em entrevista à agência de notícias Associated Press. Na sua avaliação, a Rússia precisa reconhecer o doping sistemático, com o apoio do governo, e liberar todas as amostras colhidas nos Jogos de Inverno de Sochi, em 2014.

Em razão destes casos de doping em série, a Agência Mundial Antidoping (Wada, na sigla em inglês) manteve a suspensão à Rússia no dia 16 deste mês, por considerar que dirigentes e entidades do país não cumpriram duas exigências para serem liberados para competir internacionalmente: admitir o doping e liberar as amostras.

Diante desta decisão e dos casos recentes, a Rússia fica em situação complicada para receber a decisão final do COI, marcada para o dia 5 de dezembro. “A falta de admissão e a falta de sinceridade sobre o que está acontecendo definitivamente vai influenciar os responsáveis pela definição de punições.”

Na avaliação de McLaren, a insistência das autoridades russas em negar pode gerar punições ainda mais graves. “Quanto mais você recorrer a estas declarações que não fazem sentido… Mais você constrói a credibilidade do opositor e destrói a sua própria posição”, declarou o canadense, que já atuou como juiz na Corte Arbitral do Esporte (CAS, na sigla em inglês).