A festa pela estreia de Fred pelo Atlético Mineiro acabou frustrada pela derrota por 3 a 2 para o Cruzeiro, no Independência, no último domingo, pela sétima rodada do Campeonato Brasileiro. Autor do segundo gol da sua equipe, o centroavante aprovou a sua atuação, até pelo pouco tempo de preparação que teve para o clássico, mas lamentou o resultado negativo.

“Menos de 30 horas com o time, dez minutos de treino, mas não foi do jeito que a gente imaginava. Queríamos ganhar, infelizmente, não deu. Dentro do possível, analisando pessoalmente, foi bom, mas sempre que a gente entra em campo, independente de jogar bem, a gente quer ganhar”, comentou Fred.

A derrota aumentou o jejum do técnico Marcelo Oliveira à frente do Atlético-MG. Nesta nova passagem pelo comando do clube, ele acumula seis jogos disputados, com quatro derrotas e dois empates. No último domingo, ele lamentou o excesso de erros do sistema defensivo, além de lamentar que o time não tenha aproveitado os momentos favoráveis para controlar o clássico.

Marcelo também pediu calma com avaliações precipitadas sobre o seu início de trabalho no clube. “É um começo de trabalho, que precisa de ajustes. Nesse momento, temos de nos organizar”, afirmou Marcelo, que evitou culpar o excesso de desfalques pela nova derrota.

O revés deixou o Atlético em 17º lugar no Brasileirão, com sete pontos. O time volta a jogar na próxima quinta-feira, diante do líder Internacional, no Beira-Rio.

SÚMULA – Além da derrota para o Cruzeiro, o Atlético-MG deixou o Independência preocupado com a possibilidade de ser punido por incidentes ocorridos durante o clássico, especialmente em relação a objetos arremessados no gramado. O primeiro deles teria sido jogado por um torcedor do Cruzeiro após o segundo gol da sua equipe.

“Aos quatro minutos do segundo tempo, após o segundo gol do Cruzeiro, foi entregue ao quatro árbitro um Galo de borracha pequeno, objeto esse entregue pelo senhor Belmiro de Oliveira, massagista do Atlético-MG, que diz ter sido arremessado pela torcida do Cruzeiro, fato esse que não podemos observar e confirmar. Mas, como foi entregue, coube a nós relatar o fato do objeto entregue”, escreveu na súmula o árbitro paulista Marcelo Aparecido de Souza.

Depois, durante a confusão que provocou as expulsões de Marcos Rocha e Bryan, um chinelo foi jogado no campo pela torcida atleticana. A direção do clube mandante da partida registrou um boletim de ocorrência sobre o incidente em uma tentativa de se proteger da punição.

“Aos onze minutos do segundo tempo, foi atirado um pé de chinelo por torcedores da equipe do Atlético que se encontravam na arquibancada atrás do gol defendido pela equipe do C.A. Mineiro. Informo que foi registrado b.o. nº 2016-012719659-001”, comunicou o árbitro.