Três na frente, um logo atrás, duas equipes dividindo vitórias, uma terceira querendo chegar lá. Diante desse quadro, o mundial de Fórmula 1 de 2007 não tem favoritos. E deve ser decidido no apagar das luzes da temporada. Essa é a opinião de Felipe Massa, que chegou segunda-feira a São Paulo depois de vencer, domingo, o GP do Bahrein em Sakhir.

O brasileiro passará uma semana no País e depois volta para a Europa, onde fará dois dias de treinos em Barcelona antes da quarta etapa do campeonato, lá mesmo, no dia 13 de maio. Ontem, deu entrevista coletiva num hotel da zona sul da cidade.

Massa tem 17 pontos e é o quarto na classificação, que tem empate tríplice na ponta: 22 pontos para Fernando Alonso, Kimi Raikkonen e Lewis Hamilton. Um pouco mais distante está Nick Heidfeld, da BMW Sauber, com 15. ?Um campeonato assim não tem favorito. Qualquer um dos quatro pode ganhar, e até o Heidfeld?, falou o ferrarista.

Felipe analisou as três etapas disputadas até agora e definiu a primeira, na Austrália, como ?complicada? (teve de largar em último, depois de ter problemas mecânicos na classificação); a segunda, na Malásia, ?estava indo bem até eu errar na largada e na tentativa de passar o Hamilton, o que me custou pontos importantes?; a terceira, no deserto barenita, ?foi impecável, porque a gente tirou o máximo do carro?.

Apesar de elogiar a BMW Sauber, Massa acredita que o título ficará mesmo entre McLaren e Ferrari. E espera que a disputa se resuma à pista. ?Não acho que nenhuma das equipes vai tomar posição quanto a primeiro e segundo piloto até que o campeonato fique bem claro. Eles vão tentar botar os dois carros na frente, e nós também?, disse.

Massa contou que os dias entre os GPs da Malásia e do Bahrein foram tensos. ?Eu sabia que iria receber críticas muito pesadas, e procurei apenas me focar na corrida seguinte. Quando você tem um dia ruim, a única coisa a fazer é procurar ter um dia bom depois?, filosofou.

O piloto destacou a importância que as largadas terão nesta temporada. ?Deu para ver que quem chegou na frente na primeira curva ganhou as três corridas. Por isso, estamos trabalhando muito nisso?, falou. Ele fez duas das três poles do ano, mas a de Sepang não foi bem aproveitada.

Recusando rótulos de favoritismo e comparações com Senna e Schumacher, que pipocaram na imprensa brasileira e italiana, especialmente, Felipe disse que teve um ?dia de Massa? no último domingo. ?É melhor assim. A gente sabe que o Brasil precisa de um piloto que consiga vencer, que o público espera isso, mas é preciso manter os pés no chão?, concluiu.