Roger Federer deu mais uma amostra de que é um esportiva diferenciado não só dentro de quadra. Após vencer duas categorias e se tornar o maior vencedor da história do prêmio Laureus, o suíço mostrou muita personalidade e fez questão de dedicar as conquistas ao rival Rafael Nadal, mas não de forma provocativa. Pelo contrário. O atual campeão de Wimbledon e do Aberto da Austrália disse que o espanhol foi um dos motivos que fez ele se recuperar de lesão e voltar ao topo do tênis mundial.

“O prêmio eu dedico para o meu amigo Rafa. Ele teve um ano inacreditável. Tivemos ótimas batalhas e é por causa de um cara como ele, que eu sinto que me tornei um jogador melhor e trabalhei para me recuperar e voltar bem”, disse o suíço, que ganhou o prêmio de melhor atleta masculino do ano e também o de melhor retorno esportivo, em evento realizado em Mônaco, na última segunda-feira.

O curioso é que Federer disputou o prêmio de melhor do ano justamente contra Nadal, além de outros quatro atletas – o português Cristiano Ronaldo e o trio britânico Chris Froome, Mo Farah e Lewis Hamilton. “Ele poderia muito bem estar aqui, no meu lugar, e seria justo. Ele é um jogador incrível e um amigo incrível”, falou o suíço, emocionado.

Com os dois prêmios conquistados, Federer assumiu a liderança no ranking do número de troféus do prêmio Laureus. Antes, ele estava empatado com o jamaicano Usain Bolt, ambos com quatro, mas agora abriu a vantagem para seis estatuetas. Anteriormente, o suíço havia sido eleito o melhor atleta entre 2005 e 2008.