O que mais tem atormentado o Atlético nas últimas apresentações é a falta de finalização da equipe e consequentemente o baixo índice de gols por partida. Com exceção da goleada aplicada no Goiás (5 a 0), em três jogos o time não balançou as redes adversárias e quando o fez foi apenas com um golzinho. Os tentos rubro-negros têm sido marcados, na maioria das vezes, por defensores (zagueiros e volantes) e o ataque está devendo. Marcelo Ramos jogou oito partidas e assinalou somente dois gols -um deles de pênalti. E os seus companheiros ofensivos (Wallyson, Willian e Pedro Oldoni) também têm decepcionado. E como o Atlético é um todo, como os atletas gostam de enfatizar, o ?todo? rubro-negro é o segundo time que menos finalizou no Brasileirão, atrás apenas do Fluminense que tem utilizado o time B.

Pra mudar essa acanhada campanha, Fernandes aposta mais uma vez na experiência de Marcelo Ramos. ?O Marcelo é um artilheiro nato e a nossa preocupação é como alimentá-lo lá na frente. Estamos liberando ele para buscar mais o jogo?, explicou o técnico.

Artilheiro

Marcelo Ramos, que foi contestado no último jogo pela torcida, afirmou que o segredo para o ataque engrenar é trabalhar e ter calma. ?Tem que ter tranqüilidade nesse momento. Não marco gols há três jogos e é normal as críticas. Tenho a confiança dos meus companheiros e do treinador. Então é seguir trabalhando. Confiança pra jogar eu sempre tive. Independente de não marcar eu vou sempre procurar o jogo?, afirmou.

E no duelo contra Kléber Pereira, o matador rubro-negro espera levar a melhor. ?Sem dúvida nenhuma nosso time vai partir pra cima, mas com muita atenção, pois eles têm grandes jogadores (…) Mas o meu objetivo é voltar a marcar gols.?, finalizou.