Em um mês sem entrar em campo, por causa da parada do calendário nacional para a disputa da Copa do Mundo da Rússia, o Atlético Paranaense sofreu mudanças drásticas. O técnico Fernando Diniz foi demitido poucos dias após o início do Mundial e deu lugar a Tiago Nunes, que até então comandava o time de aspirantes. O novo comandante assumiu o elenco precisando afastar uma crise que se instalou no clube: são quatro derrotas consecutivas e a segunda pior campanha do Campeonato Brasileiro, com apenas nove pontos.

O teste de fogo será contra o Internacional nesta quinta-feira, às 21 horas, pela 13.ª rodada. O jogo marca o reencontro do Atlético Paranaense com a Arena da Baixada após 40 dias. Na última vez que o clube jogou dentro de casa, perdeu para o São Paulo por 1 a 0, derrubando um tabu histórico do futebol brasileiro.

Neste período, o Atlético Paranaense perdeu Thiago Carleto, seu lateral-esquerdo titular, que foi negociado com o Al Ittihad, da Arábia Saudita, e o volante Esteban Pavez, que retornou ao Colo Colo, do Chile.

Além das duas baixas, Tiago Nunes sofre para tentar mudar a filosofia do time paranaense. Até então com Fernando Diniz, o elenco era treinado para manter a posse de bola, mesmo sem nenhuma objetividade. Agora a estratégia é outra. O técnico já adiantou que aproveitou a parada para a Copa do Mundo para acertar a defesa, que vinha sofrendo muitos gols.

Na última segunda-feira, em jogo morno, o time empatou com o Cruzeiro por 1 a 1, em Belo Horizonte, e foi eliminado nas oitavas de final da Copa do Brasil. Tiago Nunes gostou da evolução do time em campo, mas pediu mais passes verticais e finalizações em gol. “Temos que ser mais objetivos, finalizar mais e com pontaria”, resumiu.