Pinheirão, 25 de abril de 1999. Uma vitória daria ao Paraná Clube o título da Copa Sul daquele ano. Após perder o primeiro jogo para o Grêmio por 2×1 no Olímpico e vencer o segundo por 2×0 no Couto Pereira, mais de 40 mil pessoas foram ao estádio da FPF para a terceira e decisiva partida. No final deu Grêmio, 1×0, gol de Ronaldo Alves. E aos 29 minutos da etapa final entrou um magrinho, de cabelo raspado, que assombrou o público em pouco tempo. Seu nome: Ronaldinho Gaúcho, que completa 40 anos neste sábado (21).

+ Confira o podcast De Letra sobre o ‘efeito coronavírus’!

Foi a primeira vez que vi o Bruxo jogar ao vivo. Acho que não tinha visto nem pela TV. Fiquei de queixo caído com o talento do moleque de 19 anos, ainda apenas Ronaldinho. Viraria Ronaldinho Gaúcho meses depois, em Ciudad del Este, quando fez aquele gol contra a Venezuela (“olha o que ele fez”). Cobri esses jogos como repórter da rádio Cidade, tinha ficado evidente que ele era um talento superior, mas certamente não fazia ideia do craque extraclasse que viraria.

O gol histórico diante da Inglaterra na Copa do Mundo de 2002 ainda é a primeira imagem que tenho de Ronaldinho Gaúcho. O sorriso do menino que tinha se transformado em estrela do futebol mundial seguia encantando os apaixonados pelo esporte. Na passagem gloriosa pelo Barcelona, o prêmio de melhor jogador do mundo ganho em dois anos consecutivos era a coroação de um dos maiores gênios com a bola no pé.

+ O futebol paranaense e a síndrome do atraso

Já em decadência física, Ronaldinho Gaúcho foi fundamental para o Atlético-MG. Fez o clube mineiro subir de patamar com a conquista da Copa Libertadores de 2013, sendo um dos protagonistas do time de Cuca.

Só que o boleiro venceu o craque.

Encrencas

Mesmo quando estava no auge Ronaldinho Gaúcho era difícil de ser controlado. A vida boa proporcionada pelos ótimos contratos o atraía muito. Cercado de amigos que só diziam ‘sim’ (como os parças de Neymar), relaxou do condicionamento físico e certamente abreviou sua carreira em dois ou três anos – depois de 2013, não conseguiu mais jogar em alto nível. Eu me arrisco a dizer que só brilhou no Galo porque tinha Carlinhos Neves e Cuca a ficarem em seu pé.

+ Eu errei com Rubens Barrichello; entenda

Seu irmão e empresário, Assis também foi personagem em diversos momentos complicados da carreira e da vida de Ronaldinho Gaúcho. Tratando o Bruxo como uma criança que não tem poder sobre a própria vida, colocou-o em enrascadas sem fim, a ponto de hoje o aniversário de 40 anos do ex-jogador ser comemorado em uma penitenciária de Assunção. A imagem do craque deixando o hotel algemado foi chocante.

A imagem diz tudo. Foto: Estadão Conteúdo

O talento absurdo dentro de campo foi substituído pela caricatura – que toca percussão, que vive nas festas, que vira meme por conta dos rolês aleatórios. Ronaldinho Gaúcho faz recordar Garrincha, a alegria do povo. Com a capacidade natural de jogar futebol, Mané foi vencido pelos joões do destino, e perdeu a vida sem conseguir controlá-la. Ronaldinho não tem os mesmos dramas do bicampeão do mundo, mas ainda tem tempo para reescrever sua história e deixar o craque à frente do boleiro.

+ Confira todos os posts do blog AQUI!