O técnico Dorival Júnior abriu um “parênteses” na entrevista coletiva de ontem e aproveitou para agradecer Cuca, treinador do Fluminense, pela ajuda no tapetão. “Faço um agradecimento pela postura e pela maneira como ele se dispôs a comparecer no meu julgamento (no STJD pela expulsão contra o Santos). Faço esse agradecimento de público pela hombridade e caráter desse profissional”, destacou. Mas como o comandante alviverde mesmo disse foi só um “parênteses”. Na hora de acenar com qual time poderá entrar em campo, aí a coisa muda de figura.

Como Júnior sabe que Cuca é de Curitiba e é sempre bem informado sobre o que se passa nos clubes da cidade, toda a cautela é pouca. Vale até despistar treinando com formações diferentes com Felipe na zaga, Leandro Donizete no meio e Nahuelpán no ataque.

“Essa formação teve um excelente rendimento e tem uma possibilidade grande de iniciar a partida. Ainda não me defini totalmente”, despistou. Mas por quê? “Existe a possibilidade de buscar alguma alteração em função daquilo que o Cuca deva ou não fazer dentro da formação do Fluminense”, apontou.

Mas a tendência é que apenas Rodrigo Heffner volte à ala direita e Maurício entre na zaga para as saídas de Alex Silva e Evaldo, respectivamente. O resto não deverá mudar.

Assim, o time treina pela manhã no Couto Pereira e embarca à tarde para o Rio de Janeiro. O confronto contra o Tricolor das Laranjeiras está programado para as 18h20 de amanhã.