Já está virando rotina para o Coritiba neste Campeonato Brasileiro. Até aqui, foram nove rodadas disputadas e o Coxa em seis dela saiu na frente no placar, mas somente em uma delas conseguiu segurar a vitória. A última aconteceu no sábado. Mesmo jogando no Independência, o Alviverde saiu na frente, com um gol de Kléber, no começo do segundo tempo, mas na sequência, e em um intervalo de três minutos, sofreu dois gols e levou a virada de 2×1 para o América-MG.

Um tropeço que custou caro ao Coritiba. Além de ter perdido para o então lanterna, o time coxa-branca está muito próximo da zona de rebaixamento e é dono da pior defesa da competição, com 17 gols sofridos. Uma história que vem se repetindo no Brasileirão, mas que em Minas Gerais parecia que seria diferente.

O Coxa começou a partida na defensiva, chamando o adversário para o ataque, na tentativa de contra-atacar. A estratégia, de início, foi arriscada, mas com o passar do tempo o Alviverde foi gostando do confronto e levando perigo, enquanto o Coelho atacava, atacava, mas em nenhum momento ameaçava.

Veio o segundo tempo e com ele o gol do Coritiba. Logo com quatro minutos, Ruy recebeu cruzamento pela esquerda e tocou para Kléber. O atacante invadiu a área, driblou o goleiro João Ricardo e mandou para as redes. O Coxa dominava o confronto e tinha tudo para vir a primeira vitória fora de casa. Só que, pouco tempo depois, o América-MG reagiu, aproveitou um apagão paranaense e virou o placar.

Aos 9, Danilo bateu falta com força, Wilson rebateu e Adalberto aproveitou para chutar e deixar tudo igual. “Eu acabei soltando uma bola que não poderia, mas são coisas que acontecem. Foi uma batida forte, a bola acabou quicando e eu botei o peito na frente, mas estamos trabalhando para corrigir isso”, reconheceu o goleiro.

Três minutos depois, o mesmo Adalberto fez lançamento preciso do campo defensivo para Borges, que aproveitou o erro de posicionamento da defesa e ficou livre para encobrir o goleiro.

“Até o 1×0 estávamos controlando bem o jogo, iniciamos o segundo tempo muito bem, mas mais uma vez pecamos em detalhes. Tenho cobrado, conversado, foi passado na palestra sobre essa atenção. Não podemos dar estes espaços para o adversário. Isto que incomoda. Tem que estar ligado no jogo, mas mais uma vez a equipe pecou neste aspecto. Poderíamos ter segurado o jogo tranquilo, teríamos espaço para jogar, mas agora temos que levantar a cabeça”, avaliou o técnico Pachequinho.

Depois disso, o jogo ficou aberto. Por um instante, o Alviverde sentiu o baque dos gols e permitiu que o Coelho criasse mais chances, que não foram aproveitadas. Em seguida, o Coritiba acordou e voltou a ter as melhores oportunidades. Juan chegou a acertar o travessão em cobrança de falta. O time foi para cima com as mudanças do treinador, mas as falhas apresentadas na defesa também surgiam lá na frente, refletidos em erros de passes e cruzamentos, que culminaram na quinta derrota do time neste Brasileirão.

“Não tem mais o que falar. Em todas as entrevistas falamos dos erros da nossa equipe, mas continuamos errando. Desse jeito vai ficar difícil”, lamentou Kléber, visivelmente incomodado com a atuação da equipe.

Simplicidade! Veja mais sobre o futebol paranaense na coluna do Mafuz!