Na derrota por 3×2 para o Toledo, no último domingo, a defesa do Coritiba foi o ponto fraco do time que, até então, tinha um dos melhores desempenhos do Campeonato Paranaense. O técnico Gilson Kleina não escondeu seu descontentamento com os gols tomados e cobrou, após a partida, mais comunicação entre os defensores da equipe coxa-branca. Luccas Claro, que será titular diante do Operário, domingo, no Couto Pereira, preferiu dividir a responsabilidade com toda a equipe, não apenas com os defensores do time.

“Esse ano tivemos alguns jogos atípicos. Faltou, talvez, um pouco de atenção, mas não só do sistema defensivo, mas da equipe toda. Não é somente a defesa que leva o gol, mas são os onze jogadores que marcam”, pontuou o zagueiro. “Se depender de mim, a gente vai estar buscando a vitória a todo custo, respeitando o Operário, e o mando de campo tem que prevalecer”, acrescentou.

O lateral-direito Ceará, que ficou de fora dos dois últimos jogos, quando a defesa alviverde foi vazada quatro vezes, afirmou que não dá para fazer uma análise individual de um setor apenas da equipe. O experiente jogador, que voltará diante do Operário, citou a forma do Barcelona jogar, onde todo o time precisa se esforçar para recuperar a bola.

“Não pode analisar um setor isolado. Como a gente fala sempre: a melhor defesa é o ataque. O conjunto, de uma maneira geral, sem a bola, deve se esforçar para retomar a bola. O preparador físico do Barcelona, em uma entrevista, sublinhava a importância de jogar com a bola, de comandar o jogo. Ele falava que esse era o maior desafio de todos os jogadores do Barcelona, que tivessem uma forma de recuperar a bola para que eles pudessem jogar. É isso que tem que inserir na mente dos atletas”, pontuou Ceará.

O lateral garantiu o foco para corrigir os erros nesta semana. “Quando acontece isso infelizmente estoura no setor defensivo. Mas isso tudo dá para ser corrigido. Foram seis jogos oficiais e até o jogo contra o Londrina tínhamos tomado dois gols. Sofremos três nesse jogo e, dentro do coletivo, vamos tentar corrigir ali na cozinha para que, diante do Operário, a gente não sofra mais gols”, detalhou.

Ceará, que é também um dos líderes do elenco, pontuou a importância da comunicação para a melhora do desempenho do time alviverde, sobretudo na defesa. “A comunicação no futebol é muito importante. Não jogamos em um esporte onde não se pode falar. Então, você orientar seu companheiro é fundamental. Certamente vou contribuir falando, orientando, mas que seja benéfico, para orientar, não apenas para criticar e chamar a atenção do companheiro”, arrematou Ceará.

Mudanças no ataque

Com a semana cheia para trabalhar, o técnico Gilson Kleina pode promover mudanças no Coritiba para o duelo contra o Operário, domingo, às 19h30, no Couto Pereira. O setor ofensivo pode ser modificado diante do Fantasma – que tem técnico novo, Claudemir Sturion.

Desde o início da temporada, Gilson Kleina sempre optou por utilizar três atacantes. Diante do Toledo, o treinador não pôde contar com Negueba, que está em recuperação de uma lesão muscular na coxa. O jogador também não deverá estar em campo diante do Operário. Guilherme Parede pode ser mantido no time titular para formar o trio ofensivo ao lado de Kléber e Leandro. Se for regularizado, o atacante paraguaio Jorge Ortega, recém-contratado pelo Verdão, também pode ser mais opção.

No setor de criação, Juan deve ser mais uma vez mantido na equipe. Thiago Lopes também é opção para o treinador, já que o meia Dudu ainda segue em recuperação de um corte sofrido no pé. A tendência é de que o jogador, que foi bem no duelo contra o Grêmio, pela Primeira Liga, volte aos treinamentos somente na semana que vem.

Duas mudanças devem se,r confirmadas pelo técnico Gilson Kleina. O lateral-direito Ceará, poupado dos dois últimos compromissos por causa de uma fadiga muscular na coxa direita, deve retomar sua vaga na equipe no lugar de Reginaldo. Na zaga, Juninho, expulso contra o Toledo, dará lugar para Luccas Claro.