O Coritiba iniciou a temporada com vitória por 2×1 com o FC Cascavel na noite deste domingo (19), no Couto Pereira, pela primeira rodada do Estadual. Mesmo no sufoco, com gol da virada nos acréscimos, o contato inicial deixou boa impressão com a torcida, que espera um ano mais tranquilo.

Paulo Baya, no começo do jogo, abriu o placar para a Serpente. O Coxa, de forma lenta, não teve uma boa atuação, com apenas Igor Jesus assustando uma vez no primeiro tempo, enquanto o Cascavel ofereceu perigo em mais três vezes. A etapa final teve uma melhora em desempenho do Coritiba com boas chances – Guilherme Parede fez o gol de empate e Robson virou nos minutos finais.

“A estreia é sempre complicada, falta ritmo. Gostei da forma que a diretoria conduziu as renovações de destaques do ano passado e as contratações. Estou esperançoso”, afirmou Pedro Paulo, 35, empresário.

+ Confira a tabela e a classificação do Campeonato Paranaense!

A direção coxa-branca manteve a espinha dorsal do time que subiu na Série B, no ano passado, com renovações de oito titulares, além de contratar nove jogadores. O nono, ainda não oficializado, é o centroavante Sassá.

No comando técnico, o escolhido foi Eduardo Barroca, ex-Botafogo e Atlético-GO. O treinador prometeu fazer um time ofensivo para a temporada e traz boa expectativa para o torcedor, que não vaiou o time mesmo com o revés. O único “perseguido” foi o meia Thiago Lopes.

“A aposta no Barroca é válida, um técnico promissor. Não via o Jorginho (técnico do acesso) como a melhor opção. Agora é dar tempo para o trabalho dar resultado”, comentou Cláudio Silva, 44, médico.

+ Veja a análise de Cristian Toledo sobre a vitória do Coritiba!

Para a torcida em geral, um 2020 ideal do Coritiba é o título do campeonato paranaense, chegar às oitavas de final da Copa do Brasil e se manter na Série A para o ano seguinte.

“Se possível ainda pegar uma vaga na Sul-Americana. Mas entendo que nesse primeiro ano de retorno é melhor se garantir. Pelo menos, nesse começo de ano, vejo que temos condições para isso”, completou Carlos Maia, 26, enfermeiro.