Clima quente no Conselho Deliberativo do Coritiba. Tudo por causa da doação de R$ 200 mil para a campanha de Ricardo Gomyde à presidência da Federação Paranaense de Futebol, valor que foi reembolsado pelo presidente Rogério Bacellar após a derrota no pleito. O fato gerou um ambiente de desconfiança dentro do Conselho, afinal, ninguém sabe onde foi parar o dinheiro, quem realmente recebeu e no que foi gasto. Tanto que na última segunda-feira foi criada uma comissão para averiguar a transação financeira, mostrando que existe uma disputa política dentro do clube.

Motivo para que o caso seja investigado existe. A diretoria não se pronuncia sobre o assunto, mas internamente alega que tudo ocorreu sem nenhuma irregularidade. Tanto que Bacellar aprovou a criação da comissão para investigar a transação.

O valor saiu do Coxa como doação, um investimento do clube pensando no futuro e voltou para os cofres do clube também como doação do presidente. Como foi gasto seria responsabilidade da coordenação de campanha do Gomyde.

Quando o foco muda para a chapa perdedora das eleições da FPF, a situação fica mais nebulosa, já que não existia um tesoureiro que centralizasse as doações e fizesse o devido destino. O advogado Juliano Tetto participava da parte burocrática, mas não da financeira. Sabe-se que as muitas reuniões feitas para convencer os eleitores, na capital e no interior, foram custeadas por essas doações, mas a falta de transparência faz a boataria correr solta dentro do Couto Pereira.

Opositores querem explicações

Na última reunião do Deliberativo, um dos mais enfáticos a criticar o caso foi o conselheiro José Hipólito Xavier da Silva. “Achei que o ato não poderia ser tomado, por se tratar de um clube cuja diretoria declara que está praticamente quebrado. Não poderia gastar dinheiro com isso”, justificou. “Mostrei indignação ao ver que os atos e justificativas geram dúvidas por conta da nebulosidade. Merece esclarecimento”, falou.

Enquanto isso, a disputa política segue grande, com a situação afirmando que a oposição estaria utilizando esse caso para tumultuar o ambiente. Quem não foi eleito por essa gestão se defende, dizendo que o próprio conselho fiscal do clube verificou essa doação e a comissão foi feita com o requerimento de 11 conselheiros das mais diferentes orientações políticas.

“Ainda é prematuro dar qualquer declaração sobre isso. Não fizemos nem uma reunião ainda”, disse Gerson Chimelli, ex-presidente do Conselho Fiscal e membro da comissão. “O objetivo é verificar o caso de uma maneira tranquila e serena. Por que foi doado? Para quem? Quanto? Queremos entender isso e trazer as respostas para os conselheiros”, acrescentou, esperando em um mês trazer algumas respostas.

Time

O técnico Ney Franco poderá ganhar reforços importantes para o duelo direto na luta contra o rebaixamento diante do Goiás, domingo, às 11h, no Couto Pereira. Na reapresentação do time coxa-branca, ontem, no CT da Graciosa, os volantes Cáceres e Rosinei, além do armador Ruy, que estavam no departamento médico, iniciaram as atividades de transição e podem ser as novidades do Verdão para o compromisso do final de semana.