O Corinthians vai disputar a Série B do Campeonato Brasileiro de 2008. Pela primeira em sua história de quase 100 anos, e numa competição oficial, a equipe cai para uma divisão inferior após o empate por 1 a 1 contra o Grêmio, no Estádio Olímpico, em Porto Alegre (RS), e a vitória do Goiás por 2 a 1 sobre o Internacional, ficando assim na 1.ª posição na classificação. Junto com ele, caem Paraná, Juventude e América-RN.

O Corinthians fez de tudo para atrasar a partida e jogar sabendo dos resultados. Tanto que o jogo começou 19 minutos atrasado e Nelsinho surpreendeu ao escalar quatro volantes – Carlos Alberto Vampeta, Moradei e Bruno Octavio – mais Clodoaldo no ataque, já que Wilson sentiu contusão.

Clodoaldo se dizia tranqüilo. "Ao longo da competição vinha trabalhando, às vezes muito aproveitado, às vezes pouco, mas estou aí para fazer o melhor", dizia o atacante quando foi confirmado no time. E ele fez o possível. O problema era que a bola não chegava ao ataque do Corinthians. Lulinha, isolado, quando pegava na bola só tinha a opção de carregá-la.

No Grêmio, o começo fulminante – 1 a 0 com gol de logo a um minuto de jogo, de cabeça, aproveitando o cruzamento de Bustos em cobrança de falta – deixava claro que o time gaúcho tinha melhor condição técnica. Mas, quem pensava que a ducha fria corintiana seria esse gol, se enganou. A equipe cresceu quando o Internacional fez 1 a 0 em Goiânia.

Foi quando o Goiás marcou que o time se incomodou? Não, porque o sofrimento foi breve: o time conseguiu empatar com Clodoaldo, aos 30 minutos, se jogando na bola cruzada por Carlos Alberto pela direita – lançada por Vampeta -, desviando de pé esquerdo antes de Patrício. Mas os quatro volantes do meio-campo não serviam para garantir pressão ofensiva.

Quando saiu o segundo gol do Goiás, de pênalti – após duas cobranças que voltaram – o time corintiano aí sim desanimou. E a falta de força ofensiva pesou. Não conseguiu criar chance de gol e não o fez. Com o empate, resta pensar na volta à divisão principal no ano que vem.