Emoção não faltou neste sábado, na piscina do Pinheiros, em São Paulo, no último dia de disputa do Trofé José Finkel de natação. Três recordes do campeonato caíram o título do Minas Tênis Clube, o 11.º da história, só veio nas últimas provas de revezamento. Destaque também para a vitória de João Luis Gomes Junior nos 50 metros peito e de Marcelo Chierighini nos 100 metros livre.

Para encostar em Flamengo e Pinheiros, que têm 12 conquistas cada, o Minas contou com as boas atuações das australianas Taylor Mckeown e Leah Neale, as mais eficientes entre as mulheres, e o bom desempenho nos revezamentos, que têm pontuação dobrada. Assim, o clube de Belo Horizonte totalizou 2.318 pontos, seguido pelo Pinheiros (2.265) e Corinthians (1.887,50).

Os recordes individuais começaram a cair nos 100 metros livre masculino. Marcelo Chierighini, do Pinheiros, marcou 48s43 e melhorou o antigo recorde de 49 segundos cravados, feito por Nicholas Santos em 2009. Matheus Santana, da Unisanta, e Fernando Ernesto dos Santos, do Corinthians, completaram o pódio com 48s82 e 49s04, respectivamente.

“Estou muito feliz. Fiz 48 baixo mais uma vez, estou cada vez mais constante nisto e isto me dá confiança pra seletiva olímpica que começa em dezembro”, disse Marcelo Chierighini.

Nos 50 metros peito, João Luis Gomes Júnior foi a sensação com uma vitória em 27s03 (7.º tempo do ranking mundial) e com direito a recorde de campeonato, que pertencia a Felipe França (27s32, em 2009). França, agora no Corinthians (27s13), e Felipe Lima, do Minas (27s40), foram os outros a subirem ao pódio.

“Por tudo o que aconteceu na minha vida, agradeço ao Pinheiros, aos Correios, à Marinha do Brasil por terem me ajudado neste momento tão difícil. Estou feliz demais. Estou de volta, cara. Nem quis olhar pro placar na hora que bati na parede, mas quando ouvi um grito diferente (O João voltou, o João voltou…..), vi que graças a Deus, tirei esta “zica” do corpo. Passa tanta coisa na cabeça, nós batalhamos e sofremos muito. O que me fortaleceu mais foi pensar em estar nas Olimpíadas, nunca pensei em desistir. Não foi fácil, mas o clube me ajudou bastante nisto. Me senti forte, me senti bom, me senti grande, de que ainda servia pra alguma coisa. E consegui mostrar isto”, afirmou João Gomes, que foi flagrado em exame antidoping, após contaminação de suplemento, e ficou seis meses afastado das competições oficiais.